Publicidade
Esportes
Sonhando alto

Laiana Batista chega a Manaus e já projeta os Jogos de Tóquio

Primeira amazonense a ganhar uma medalha paralímpica, Laiana desembarcou em Manaus nesta terça-feira (20) 21/09/2016 às 08:34 - Atualizado em 21/09/2016 às 08:36
Show zcr0721  02f
Laiana foi recepcionada por amigos e familiares no aeroporto, com a tão sonhada medalha olímpica no peito. (Foto: Winnetou Almeida)
Valter Cardoso Manaus-AM

“Acho que 2020 vai tá bem bacana e eu com certeza tô lá”. Essa foi uma das frases de Laiana Batista ao desembarcar em Manaus.
Entre elogios a todo o carinho recebido e as lembranças da recente conquista, Laiana já projeta um novo ciclo paralímpico para se consolidar como grande nome do paradesporto amazonense.

Medalhista do vôlei sentado, a amazonense chegou à terra natal nesta terça-feira (20) e foi recebida por uma longa sessão de abraços de familiares. Essa sensação de estar nos braços da torcida, se tornou bem familiar da paratleta nos últimos dias.
“Lá no Rio foi tudo muito maravilhoso, nós tivemos um acolhimento muito fervoroso. Jogar em casa é muito significativo, é como se tivéssemos alí uma sétima pessoa  jogando com a gente, o décimo terceiro jogador e para nós foi fantástico”, descreveu Laiana.

Com um sorriso no rosto, a primeira paratleta amazonense a conquistar uma medalha ainda lembra de cada momento da conquista, após batalhar para conseguir a vaga nos Jogos Paralímpicos.
“Valeu muito a pena ter participado desses jogos Rio 2016, principalmente trazendo o resultado no qual esperávamos que é o nosso bronze. Na disputa do bronze, nós já vibrávamos antes de entrar em quadra, porque como nós já tinhamos batido a Ucrânia outras vezes então nos pensamos que não seria difícil batê-los novamente. Nós entramos muito confiantes, muito confiantes no jogo e já contando com a vitória do bronze”, relembrou ela.

 Se a conquista da terceira posição foi histórica para o paradesporto amazonense, Laiana já projeta vôos mais altos para os próximos anos.
“Nós queremos alcançar a final, uma medalha de prata, ou  até de ouro. Nós sonhamos com isso agora”, garantiu Laiana Batista.

Guilherme Costa
O outro representante baré com uma medalha paralímpica no peito também já se prepara para chegar em Manaus. Guilherme Costa, que mora em Brasília desde a infância, deve chegar ao Amazonas na próxima semana.  “Eu tô vivendo num mundinho paralelo, um sonho na verdade, que é essa Paralimpíada, então eu tô isolado do mundo. Agora quando eu chegar em casa, e semana que vem, se Deus quiser eu vou a Manaus, acho que a ficha vai cair. Aí eu vou ter as reais proporções disso tudo”, revelou o medalhista de bronze no tênis de mesa.
 

Publicidade
Publicidade