Publicidade
Esportes
FUTEBOL

Torcida de Parintins vibra, mas se desaponta com empate do Brasil com a Suíça

Áreas como as proximidades da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, Francesa, São José e Comunas receberam um público médio para acompanhar a estreia da equipe Canarinho 17/06/2018 às 17:17 - Atualizado em 17/06/2018 às 19:51
Show parintins
Foto: Euzivaldo Queiroz
Paulo André Nunes Parintins (AM)

Parintins, a “Terra dos Bois-Bumbás” parou por 90 minutos de pensar em Garantido e Caprichoso e voltou as atenções para o dramático jogo no qual a Seleção Brasileira empatou com a Suíça, pela estreia das duas equipes na Copa do Mundo da Rússia.

Áreas como as proximidades da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, Francesa, São José e Comunas receberam um público médio para acompanhar a estreia da equipe Canarinho.

No primeiro tempo, festa com o gol de Coutinho. Vibração nas ruas da Ilha Tupinambarana. Esperança. Gritos, euforia. A torcida parintinense viveu momentos de tensão com o gol de Zuber para a Suíça aos 4 minutos da etapa final, o que preocupou. A partir daí o jogo virou drama, com a subida de produção do time europeu e as seguidas tentativas do Brasil de superar a retranca e os perigosos contra-ataques suíços

Ao final, desapontamento com o 1 a 1 na estréia do Mundial da Rússia. "Nós sempre esperamos uma vitória da Seleção Brasileira, mas desta vez não deu. É melhor empatar do que perder", declarou Graciete de Azevedo Tavares. Ela falou que a Seleção é a válvula de escape do povo brasileiro "que sofre com tantos desmandos de corrupção e roubalheira".

Na rua Paes de Andrade, a família do professor Irinaldo Bulcão se reuniu para acompanhar o jogo. Mesmo após a frustração do empate, ele comentou que nos próximos jogos será bem diferente. "A expectativa seria de vitória, mas a Seleção vinha daquela derrota por 7 a 1 para a Alemanha e isso gerou preocupação.  Mas nos próximos jogos vai ser bem melhor para o Brasil". Ele destacou que a "Suíça, pelos prognósticos, tem histórico de nao perder em jogos da Copa, e esse jogo seria difícil mesmo pro Brasil".

Bolão

Alguns estabelecimentos como o restaurante "A Biroska Língua de Fogo", na rua Paes de Andrade com Getúlio Vargas, no Centro de Parintins, organizaram bolões de aposta. No deste jogo, houve apenas um acertador do placar de 1 a 1. "Cada aposta custava R$ 5 e um total de 20 pessoas participaram. O ganhador levou R$ 100", contou Ana Paula Oliveira, filha do proprietário da casa, Paulo Roberto, conhecido como "Língua de Fogo. "Vamos organizar outros bolões para os próximos jogos da Seleção", completa ela.

Infrações

Excessos foram registrados no trânsito, como a presença de motocicletas conduzindo três pessoas, em claro desrespeito às regras de segurança.

Publicidade
Publicidade