Publicidade
Esportes
MMA

UFC desembarca no Rio de Janeiro para edição histórica neste sábado (12)

Amanda Nunes defende cinturão, Jacaré busca chance de disputar título e Vitor Belfort enfrenta Lyoto Machida na luta de despedida do ‘Fenômeno’ do maior evento de MMA da atualidade. 12/05/2018 às 15:33 - Atualizado em 12/05/2018 às 15:35
Show zcr0412 01 p01
Radicado no Amazonas, Ronaldo Jacaré pode dar um grande passo em direção à disputa do cinturão dos pesos médio. (Foto: Divulgação)
Valter Cardoso Manaus

O cardápio tem opções para todos os gostos. Entre defesa de título, estrelas em ascensão e despedida, o UFC 224, disputado neste sábado (12), promete ser inesquecível.
 Para os amazonenses, um dos destaques é a luta de Ronaldo Jacaré. O lutador nascido no Espirito Santo e radicado em Manaus busca dar mais um passo importante rumo a chance de disputar o tão sonhado cinturão dos médios. O adversário será o americano Kelvin Gastelum. O  lutador reconhece o valor da luta, mas se mantém focado em exercer seu papel dentro do octógono. “A única coisa na minha mente agora é vencer essa luta, vencer bem e é isso”, revelou Jacaré, ao site oficial do UFC. Ainda assim, o lutador não deixou de demonstrar o seu otimismo em relação ao resultado final. “Eu vou vencer esta luta. Eu estou pronto”, garantiu.

 A luta do amazonense é o co-evento principal da noite, ficando abaixo somente da luta da Leoa, Amanda Nunes, que defende o cinturão da categoria peso-galo contra  Raquel Pennington. “Eu já lutei aqui no Rio algumas vezes, mas dessa vez é bem especial para mim. Tem um gostinho diferente porque estou trazendo meu cinturão pela primeira vez. Conto com a torcida de vocês. Sei que tem muita gente aqui no Brasil que ainda não me conhece, mas estou levantando a bandeira do Brasil, e sábado esse cinturão com certeza vai ficar aqui. Prometo defender esse cinturão e comemorar com todos vocês”, revelou a lutadora ao treino aberto em evento durante a semana. 

duelo de lendas

Na luta que abre o card principal, dois brasileiros que fizeram história dentro do cage do UFC. De um lado, o motivado Lyoto Machida, do outro, Vitor Belfort que deve fazer a sua última luta no UFC. Apesar de toda a comoção em torno da despedida do Fenômeno, Machida espera emplacar sua segunda vitória consecutiva (após vencer Eryk Anders no Pará. “Eu tenho que enfrentá-lo com toda minha agressividade, concentração e foco. Não existe esse lado de amizade, até porque o público merece uma luta de respeito, de realmente a gente se entregar ali dentro. Não tem essa de luta de 'compadre'. Eu quero mostrar o meu melhor e espero que ele mostre o melhor dele também”, revelou o Dragão.

Ainda sem revelar o futuro pós-UFC, Belfort prefere desfrutar o momento. “É uma alegria imensa, uma dádiva e uma felicidade enorme poder ter os fãs neste momento. Agora é curtir esse momento e não ficar muito preocupado com o amanhã”, revelou o lutador, antes do confronto diante de Lyoto Machida. 
 

Publicidade
Publicidade