Publicidade
Esportes
GARRA

Ultramaratonista amazonense vai participar de um incrível desafio na África do Sul

Apenas 12 atletas do mundo todo foram escolhidos para o desafio. Parte do desafio é percorrer 1.660 km pedalando de Cape Town e Pietermaritzburg 03/10/2017 às 20:30 - Atualizado em 04/10/2017 às 08:04
Show img0017434805
Ele vai percorrer uma distância gigante pedalando e correndo pela África do Sul. Tudo em prol das crianças carentes do país. (Foto: Evandro Seixas/A crítica)
Jéssica Santos Manaus (AM)

Você é capaz de imaginar o que é pedalar quase 200 km por dia, durante 10 dias consecutivos e, no dia posterior, ainda correr 89 km? Esse é o Unogwaja Challenge, um desafio sobre-humano que o ultramaratonista amazonense André Costa vai enfrentar junto com outros 11 atletas do mundo todo, na África do Sul, por uma causa muito nobre: ajudar milhares de crianças carentes do país, que receberão doações arrecadadas por eles.

No total, os 12 atletas escolhidos, incluindo André, vão percorrer 1.660 km pedalando entre as cidades de Cape Town e Pietermaritzburg, e ao chegarem lá, eles vão correr os 89 km da mais antiga e maior maratona do mundo em número de participantes, a Comrades Marathon. O desafio vai de 31 de maio a 10 de junho.

Em junho deste ano, André tornou-se o primeiro amazonense a participar e completar a Comrades Marathon, e conta que a partir daí surgiu o amor pelo evento e a vontade de participar do desafio. “Passamos por um processo seletivo com questionário e entrevistas. O importante é as pessoas que fazem a seleção sintam o envolvimento do atleta com a causa, pois não é só o desafio físico, mas a vontade de ajudar e manter o legado do Unogwaja que conta. E quando saiu o resultado da seleção com o meu nome, senti primeiramente um alívio, pois sou muito ansioso”, afirma André.


E,depois, André percebeu que através do desafio iria poder fazer uma homenagem à sua mãe, que dedicou boa parte da sua vida a ajudar crianças.
 “Minha mãe fazia algo parecido, ia aos domingos evangelizar crianças, levar rancho e organizar festa para elas, no bairro Colônia Antônio Aleixo, mas faleceu há três anos, 10 de junho, mesmo data em que será o encerramento do desafio, a Comrades Marathon, então, isso significa muito para mim”, ressalta.

Preparação

André praticava triathlon, chegou a completar o Ironman, mas depois acabou focando na corrida, e deixou as piscinas e a bike de lado. Agora, porém, para encarar o Unogwaja, ele retomou os treinos de ciclismo. “Iniciei a base dos treinos. Como estava um tempo sem pedalar, iniciei a rodagem para readaptação. Consegui uma bicicleta emprestada, mesmo sendo um número maior, mas me surpreendi com o resultado dos treinos, que foram muito bons. Fiz treinos longos com um pessoal que está treinando faz tempo, e consegui acompanhá-los”, disse André.

Ele afirma que vai começar os treinos específicos para o desafio somente em janeiro, porque ainda fará três ultramaratonas este ano, os’ 75 km de Bertioga a Maresias’ este mês, as ‘8 horas de corrida’ de Manaus, em novembro; e em dezembro, o Desafio ‘90k Solidário’, parceria com o nadador Vítor Gadelha. “Quando começarem os treinos para a Unogwaja, faremos em alguns períodos três dias de ciclismo e, no dia seguinte, um longo de corrida, para simular mais ou menos o que farei lá no desafio, só que em proporção menor”, explica.

Do tamanho do coração

O desafio Unogwaja é tão grande quanto a vontade de André de ajudar o próximo, então, ele fala que isso o ajudará a completar o percurso. “Quem já fez esse desafio, fala que é uma experiência incrível. Algo que marca a vida toda. O ciclismo, sei que será duro, devido ao tempo na bike, pois são quase 200km por dia. Mas, no ciclismo, não tem competição, o grupo sai unido e chega unido. Tem as paradas para comer e para recuperar.  O corpo vai cansar, mas a motivação é exatamente ver o carinho e a recepção das crianças com o grupo”, conta André, que já viu vídeos de anos anteriores. “Os vídeos são incríveis, é muito bonito e emocionante de se ver”.

“Na Comrades eu vou realmente sem pretensões de tempo. Sei que dessa vez o corpo vai sentir o peso da quilometragem, e vou realmente para terminar sem ser cortado da prova. Vou no meu limite, sempre fui muito competitivo e vou para fazer o meu melhor, mas sem pretensões de baixar meu tempo. Fico feliz com qualquer tempo, e com a chegada do Deiwe, um grande amigo daqui que vai estrear na Comrades”, disse André.

Em prol das crianças

André explica que cada um dos atletas do time Unogwaja tem o compromisso moral de arrecadar em torno de 18 mil reais. Todo o valor será doado às instituições de caridade da África do Sul. “Por isso, busco patrocínios, apoio dos amigos, fazendo campanha na internet, e ainda vou fazer uma feijoada ou um jantar de massas para conseguir arrecadar esse valor”, afirma André. “O intuito disso é realmente envolver e mobilizar o maior número de pessoas para a causa”, completa.


As doações arrecadadas serão entregues durante o percurso do desafio, deixando o ato ainda mais bonito. “No percurso do ciclismo vamos passar por todas as instituições para fazer a doação”, explica André.

Quem quiser colaborar com as crianças carentes da África do Sul, pode entrar em contato com André, através do telefone 98151-7845, ou de suas redes sociais (acostaim, no Instagram). Na internet, as pessoas podem fazer doações através do site www.kickante.com.br/campanhas/unogwaja-12-atletas-milhares-de-criancas.

História

O Desafio foi criado para homenagear Phil Masterton-Smith, uma das lendas da Comrades Marathon. Ele foi apelidado de Unogwaja, que em Zulu significa Lebre. Em 1933, sem dinheiro para viajar da Cidade do Cabo para Pietermaritzburg, local da largada da prova naquele ano, Phil resolveu ir de bicicleta. Após pedalar os 1.660km em dez dias, o sul-africano correu a Comrades, ficando na décima colocação. 

A primeira edição do Desafio Unogwaja foi em 2011, 78 anos após o feito de Phill, quando quatro jovens decidiram repetir a aventura do campeão da Comrades. O Desafio Unogwaja tem como objetivo ajudar sete instituições da África do Sul, que cuidam de milhares de crianças. São elas, Community Chest, World Vision South Africa, Star Fish, Pink&Drive, The Sports Trust, e Wildlands Conservation Trust. Todas são beneficiadas por uma instituição maior, a AmaBeadiBeadi.

Para conhecer mais sobre o desafio, acesse o site http://unogwaja.com/

LEIA MAIS 

Maratona na vida e maratona no esporte: conheça a história do corredor Juarez Silva

Corredores se preparam para Meia Maratona de Manaus, de 21 Km na cidade

Publicidade
Publicidade