Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019
POLÊMICAS

Um ano após implementação, VAR ainda gera críticas no futebol brasileiro

Consulta dos árbitros ao vídeo funcionou na Copa do Mundo da Rússia, mas tem sido questionada nos campeonatos nacionais



VAR_0760BBEE-6323-41F7-B87D-CC951EF4372C.jpeg
22/08/2019 às 09:47

O videoárbitro, mais conhecido como VAR, está cada vez mais sendo utilizado nos jogos de futebol do Brasileirão. Apesar de sua crescentes popularidade, não é possível dizer que ele tem convencido dentro e fora de campo.

As reclamações são muitas. Tanto por parte dos jogadores quanto por parte dos torcedores nos estádios, em casa e até em sites de apostas como o Apostasonline. Muito dessas reclamações vem do fato de que o árbitro de vídeo demora muito para tomar uma decisão.

No último clássico entre Flamengo e Corinthians, por exemplo, Gabigol marcou um gol que foi invalidado pelo juiz. Após reclamações dos flamenguistas, o árbitro optou por verificar o vídeo.

Levou exatamente 6 minutos para que a consulta ao VAR terminasse. Essa demora, apesar de o lance realmente ter sido complicado, tem sido entendida como inaceitável.

Por essa e por tantas outras razões, o uso do videoárbitro no futebol brasileiro não tem convencido praticamente ninguém. Ainda que ele seja extremamente útil para prevenir falhas dos juízes, atrapalha o espetáculo e torna os jogos ainda mais tensos do que o normal.

No caso de Flamengo e Corinthians, foi muito útil. Evitou injustiça no placar ao validar o gol de Gabigol, que deu empate ao placar. Mas será que isso é suficiente?

O VAR só pode entrar em cena em apenas quatro situações: penalidades, anulação ou não de gol, identificação de jogadores e cartões. Ou seja: não é em qualquer momento da partida que o recurso é utilizado.

Uma coisa que ninguém fala a respeito sobre o VAR é que, além das situações em que ele é exigido, há um componente completamente interpretativo na sua utilidade.

Aliás, isso está na regra escrita da utilização do videoárbitro. Independente do que o juiz olhar no vídeo, a decisão final será completamente baseada em sua interpretação do lance ou mesmo do que ele realmente viu nas imagens.

Portanto não há na regra qualquer indicativo sobre o quanto pode demorar uma consulta ao VAR. Pode ser um minuto, trinta segundos ou seis minutos, como foi no caso do gol de Gabigol.

Mas será que a falha está no VAR? Não seria mais honesto culparmos o próprio futebol pela demora na consulta ao vídeo e mesmo pelas falhas de interpretação dos árbitros?

A regra é clara, já diria Arnaldo César Coelho. Contudo não é o que se percebe na prática.

Não há exatamente um consenso sobre quando é pênalti, por exemplo. Principalmente se pensarmos na “mão na bola” e na “bola na mão”. O que seria uma falta para cartão vermelho e uma para amarelo? De acordo com a FIFA, carrinho não seria sempre falta, independente de acertar ou não a bola.

Discutir isso é importante no atual cenário do VAR no Brasil. Cada árbitro tem sua interpretação das regras do jogo, sendo isso o maior fator de decisão na hora em que olham as imagens.

Como o futebol brasileiro é um dos mais confusos em termos de regramento, é melhor os jogadores e os torcedores se acostumarem às demoras nesse recurso.

 

 

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.