Domingo, 16 de Junho de 2019
PERDAS PARA O ESPORTE

Vandalismo e má conservação de espaços causam ao menos R$ 1,5 mi de prejuízo à Sejel

Durante visita, o governador Wilson Lima constatou falta de manutenção e descontrole dos bens deixados por gestões anteriores



WILSON_7AE4D9AA-F8F6-4003-9CA9-78C944D5295F.JPG Foto: Divulgação
25/01/2019 às 17:44

O governador Wilson Lima constatou, nesta sexta-feira (25), a situação precária que se encontram a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), a Vila Olímpica de Manaus e a Arena da Amazônia, na Zona Centro-Oeste de Manaus. Ele visitou os locais para ver de perto o resultado do que classificou de “descaso de governos passados com o patrimônio público”, que tem prejudicado o treinamento de atletas amazonenses, bem como a formação de novas promessas do esporte local.

Alojamentos precários, infiltrações, mofo, mobiliário reciclado, depredações, extravios, furtos e falta de segurança estão entre os problemas identificados pela nova gestão.

“Estou muito triste com tudo que estou vendo. Visitamos dois símbolos do esporte não só amazonense, mas brasileiro e sul-americano. O esporte é um dos instrumentos mais fortes que a gente tem para manter a molecada longe da violência. A Vila Olímpica e a Arena da Amazônia, que foi palco da Copa do Mundo de 2014, já receberam grandes atletas. No levantamento inicial que fizemos, identificamos o prejuízo de pelo menos R$ 1,5 milhão com vandalismo, falta de conservação e falta de comprometimento com o cidadão”, destacou o governador.

O valor pode ser ainda maior, já que existem informações desencontradas devido à falta de controle do patrimônio. Foram identificados o uso de computadores reciclados, bebedouros que não funcionam por não receberem manutenção há anos, além de itens extraviados ou furtados, como notebooks, televisões, portas de alumínio, lâmpadas, fiação e aparelhos de musculação destinados ao preparo de atletas.

Medidas emergenciais

Durante a visita, o governador adiantou que, além da negociação para repactuar o contrato para retomada da obra da piscina da Vila Olímpica, já determinou reforço na segurança nos espaços e parcerias para obras de reforma e revitalização.

“Nós também fizemos um levantamento para revitalização da Vila Olímpica, como recuperação do pavimento para que as pessoas possam praticar suas atividades físicas. Já providenciamos também o fechamento de algumas entradas da Vila olímpica, para que a gente possa dar um pouco mais de segurança pra quem vai estar ali naquela área. Fizemos algumas parcerias com a iniciativa privada para que a pintura daquela área e para que aconteça também a recuperação do hotel para receber as pessoas que vêm do interior e dar suporte aos atletas”.

Segundo o secretário da Sejel, Caio André Oliveira, além da prospecção de parcerias privadas, a pasta também está em busca de outras fontes de recursos. “Estamos buscando parcerias privadas, emendas orçamentárias na Assembleia Legislativa e com os deputados federais e senadores, buscando convênios com o Ministério da Cidadania, para recuperar os espaços deteriorados, bem como construir novos espaços principalmente no interior, como centros de iniciação esportiva”, informou Caio André.

Problemas complexos

De acordo com o levantamento feito pela atual gestão, no procedimento adotado anteriormente as aquisições feitas pelo estado, para uso da Sejel, entravam no depósito mas eram encaminhadas para outros destinos (Vila Olímpica, estádios, centros de treinamento ou a própria sede da secretaria) antes de serem catalogadas. Essa prática permitia que equipamentos fossem deslocados e até subtraídos do depósito, sem que qualquer registro fosse feito.

Desta forma, não só na Arena de Amazônia e na Vila Olímpica, como nos estádios Carlos Zamith e Ismael Benigno, centros de treinamento e na própria sede da Sejel foram identificados furtos e extravios de aparelhos de musculação, computadores, aparelhos de ar condicionado, mesas, portas, peças dos sistemas de iluminação, cabos de energia e rádios comunicadores.

Parte do maquinário que está em funcionamento nas unidades apresenta mau estado de conservação e precisará passar por manutenções. Em outros casos, como o dos bebedouros de grande porte (industriais), a manutenção não resolve os problemas ocasionados pela ausência de reparos durante anos, sendo necessária a aquisição de novos equipamentos.

Interior

De acordo com o governador, o interior também receberá atenção especial nas ações de recuperação do esporte amazonense. “O secretário de esporte está fazendo um programa para que sejam desenvolvidas atividades esportivas por calha de rio. Essa movimentação deve iniciar em breve, preparando os jovens do interior para os Jogos Escolares do Amazonas (JEAs)”, destacou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.