Sexta-feira, 19 de Julho de 2019
Despedida

Velório de Pedro Nunes é marcado por homenagens de familiares e alunos do treinador

Durante 30 anos o baiano comandou o projeto 'Ring Boxe' na Zona Leste de Manaus. Velório acontece no ginásio onde Pedro dava aulas de boxe



_ASL7526_9085A5DF-86C4-4287-837E-C864D4424A42.JPG Foto: Antônio Lima
03/06/2019 às 21:06

O esporte amazonense perdeu Pedro Nunes aos 54 anos, mas o legado do ex-pugilista baiano, idealizador do projeto ‘Ring Boxe’ e presidente da Federação Amazonense de Pugilismo, vai permanecer vivo na memória dos tantos pupilos do saudoso professor. E prestando as últimas homenagens no velório realizado na tarde de hoje (3), no ginásio Zezão, localizado no São José Operário, Zona Leste de Manaus, os familiares, amigos e alunos falaram sobre o convívio e aprendizado ao lado do treinador de boxe.

O boxeador em cadeira de rodas Marcley da Silva, 27, falou do legado e as lições deixadas pelo treinador. “Eu treinava há dois anos com ele e era um treinamento maravilhoso. Ele passou um legado muito maravilhoso pra cada um de nós, porque além de ser boxeador eu aprendi com a ele a ser mais esperto pra vida. Então é um legado muito especial pra mim como aluno dele”, comentou.

Um dos primeiros alunos de Pedro Nunes, o ex-pugilista Sidney Vasconcelos,36, começou aos 18 anos no projeto social Ring Boxe. Ele rememorou o trabalho feito no pequeno espaço improvisado na área externa do ginásio Zezão.

“O seu Pedro era um cara muito esforçado se tratando de boxe, mas que tinha um coração muito grande. Tanto é que criou o projeto voltado pra periferia e, com certeza, esse trabalho foi muito importante pra fazer muitos resgates dos jovens. Eu fui dos caras que foi resgatado pelo projeto do Ring Boxe, e a gente aprendeu a tentar ser campeão não só no ringue, mas também na vida. Esse é um legado que o Pedro Nunes deixou apesar da falta de apoio. E hoje fica difícil dizer quem é que vai tocar esse barco”, comentou Sidney.

A esposa do saudoso treinador de boxe, Edina Marques,44, ressaltou o trabalho idealizado pelo marido com a passagem de mais de cinco mil alunos durante os 30 anos do projeto Ring Boxe.

“Ele idealizou o sonho dele, onde ele tirava os jovens da rua com a prática de esporte, não só pra formar um pugilista, mas também um cidadão e esse foi o legado dele. Ele conversava, perguntava como tava na escola, tinha que respeitar pai e mãe, não podia brigar na rua, tinha que seguir as regras, as normas. O legado dele foi muito bonito, assim como fez os dois campeões brasileiros, a Maria Marreta e o Cássio Humberto. E mais de cinco mil alunos passaram pelas mãos dele, e hoje todo mundo é uma família”, relatou Edina.

A filha de ‘Ring Boxe’, Ritta Dulce Marques, 14, disse sentir orgulho de toda jornada de seu pai no comando do projeto. “Ele era um guerreiro, foi um grande exemplo de vida pra qualquer aluno, e qualquer lutador. Saiu de casa muito cedo e conquistou tudo indo buscar os jovens pro boxe, do jeito dele, e tudo que ele deixou foi muito bonito e vai fazer falta pra todos nós”, finalizou Ritta Dulce.

O cortejo funerário de Pedro Nunes sai às 9h desta terça-feira (4) do ginásio Zezão e segue para o cemitério Parque Tarumã, situado na Avenida do Turismo, Zona Oeste da capital.

Receba Novidades

* campo obrigatório
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.