Publicidade
Amazônia
Mestrado

Aluno da UEA lança Minidicionário Sateré Mawé em Libras e Língua Portuguesa

Após dois anos de pesquisa, Marlon Jorge, que também é surdo, defendeu um dos trabalhos mais relevantes para a comunidade surda no Amazonas: a criação do minidicionário 26/07/2016 às 20:31 - Atualizado em 27/07/2016 às 19:30
Show 0f046fc8 0c5d 4e4a 9944 16d6ffab5ded
A proposta visa atingir indígenas Sateré Mawé no município de Parintins e adjacências (Foto: Divulgação)
acritica.com

O aluno egresso do Programa de Pós-Graduação em Letras e Artes da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Marlon Jorge, realizará às 18h da próxima sexta-feira (29) o lançamento do Minidicionário Indígena Sateré Mawé em Libras e Língua Portuguesa. O lançamento será realizado no auditório anexo da Escola Normal Superior (ENS) situado no Shopping Cidade dos Carros, na avenida Djalma Batista.

Em maio de 2015, Marlon que também é surdo, defendeu um dos trabalhos mais relevantes para a comunidade surda amazonense: a proposta de criação do minidicionário, após dois anos de pesquisa. Inicialmente a proposta visa atingir os indígenas da etnia Sateré Mawé que estão localizados no município de Parintins e adjacências. O estudo foi realizado na microrregião de Parintins, englobando sete municípios onde Parintins é o Polo. A escolha inicial pela região se deu na necessidade de estudar primeiramente os hábitos e as formas de comunicação dos indígenas surdos Sateré Mawé.

A pesquisa envolve a discussão sobre os sinais criados pela comunidade surda indígena. “Nas comunidades, eles já criaram, entre eles, alguns sinais, por exemplo, para dormir, casa, rede e etc”, afirmou Marlon. O autor do estudo prevê a elaboração de mais pesquisas sobre indígenas na comunidade surda.

“Precisamos de novos pesquisadores, aceitar a área de pesquisa para estimular a comunidade a aprender a língua de sinais. Quando cheguei em uma escola na cidade de Barreirinha, por exemplo, falei que precisava do material para trabalhar com um aluno indígena que estava isolado. Vi que ele ficava isolado na sala fazendo desenhos enquanto poderia estar aprendendo”, disse.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade