Publicidade
Amazônia
PESQUISAS

Arqueólogos estudam evolução humana na Amazônia

Artefatos encontrados no Médio Solimões vão ajudar estudiosos a desvendar a história da ocupação humana na Amazônia antes da colonização europeia 18/11/2016 às 12:42 - Atualizado em 21/11/2016 às 15:51
Show ufpa
Cerâmicas encontradas podem revelar duas tradições culturais de produção no Médio Solimões: a Borda e a Polícroma (Foto: UFPA)
acritica.com Manaus (AM)

Em uma pequena área cavada na terra, de dois metros por um,dois pesquisadores trabalham. Com uma pequena colher, dessas que se usa em construções civis, eles raspam delicadamente as partes da unidade - como é chamada a área de escavação - retirando pouco a pouco a terra que está ali. Quem pode imaginar o que estaria escondido por baixo da terra? Por horas, sob o sol escaldante do Amazonas e entre os insistentes mosquitos que os cercam, os pesquisadores se ajeitam para realizar o trabalho, tentando não atrapalhar um ao outro e com cuidado para não encostar nas paredes ou desmanchar as formas já descobertas na terra.

A cena descrita aconteceu no último mês. Mais de dez pessoas, cerca de um mês em atividade de campo e muitos vestígios arqueológicos coletados para análise. A equipe de pesquisase dedicou à escavação no sítio arqueológico localizado próximo a uma comunidade ribeirinha, na foz do Lago Caiambé, zona rural do município de Tefé (AM).O trabalho foi realizado por uma equipe de diferentes instituições, parceria entre os pesquisadores do Instituto Mamirauá, da Universidade Federal do Sergipe (UFS), do Museu de Etnologia e Arqueologia da Universidade de São Paulo (MAE-USP) e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), por meio do Centro de Estudos Superiores de Tefé (Cest).

A escavação faz parte de uma pesquisa que busca desvendar a história da ocupação humana na região, antes da chegada dos colonizadores. A área estudada possui uma diversidade de vestígios arqueológicos cerâmicos, produzidos por populações indígenas na antiguidade. Nessa pesquisa, Rafael de AlmeidaLopes, mestrando da UFS, investiga duas tradições culturais de produção cerâmica tradicionalmente encontradas na região do Médio Solimões. “Buscamos entender como se deu a presença dessas populações que produziram as cerâmicas arqueológicas que encontramos aqui, tanto as cerâmicas da Tradição Borda Incisa quanto da Tradição Polícroma”, explicou Rafael.

De acordo com o pesquisador, a hipótese é que populações de diferentes aldeias, que produziam cerâmicas com técnicas e metodologias distintas,estavam se relacionando. “Acreditamos que haja a presença de material da Tradição Borda Incisa junto com material da Tradição Policroma, o que sugere que talvez essas pessoas estavam trocando as cerâmicas ou fazendo rituais juntos, ou se vinculando por relações de casamentos, coisas do gênero”, disse o pesquisador.

No sítio arqueológico foram escavadas três unidades de 1 a 2m². Ao longo do trabalho, os arqueólogos escavam aprofundando nível a nível, até que os vestígios já não sejam mais encontrados.  O arqueólogo do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Eduardo Kazuo Tamanaha, descreve que esse trabalhobusca recuperar os vestígios deixados pelas sociedades do passado. “Esses vestígios, quando estavam inteiros ou eram utilizados por alguém, representaram uma cultura, um momento da história. Basicamente, aquele antigo utensílio serviu a algum propósito na sociedade.E nós, arqueólogos, tentamos reconstruir essa história antiga através desses objetos e seu contexto”, contou.

Além das cerâmicas encontradas pelos arqueólogos nas unidades, que muitas vezes estão divididasem pequenos fragmentos, durante a escavação, também foram coletados materiais associados às peças, como terra preta de índio e outros fragmentos que podem ser pedaços de pedra, carvão ou ossos. Todo esse material será triado e analisado em laboratório e ajudará a identificar o contexto em que as peças foram utilizadas. Se eram utensílios para produção de alimentos ou utilizados em algum ritual funerário, por exemplo.  Uma parte das amostras também irá passar por um processo de datação, para identificação do período de ocupação da região.

“O que estamos trabalhando é a história de longa duração dessas populações. A gente pode ter uma ideia, por meio da cerâmica, de algumas transformações e continuidades ao longo do tempo. Como todas as populações humanas, apesar de terem muita continuidade, elas tinham seu dinamismo. A própria produção de terra preta é interessante, esse é um processo que a gente acredita que é gradual, ao longo do tempo.  Mas, se a gente tem indícios dessa ocupação antes da terra preta, por exemplo, a gente pode pensar qual foi o momento em que a forma de manejo de paisagem começou a gerar essa terra preta, com grande quantidade de carvão, etc.”, comentou Rafael.

A terra preta de índio é muito encontrada no território amazônico e está vinculada às antigas ocupações indígenas da região. Esse tipo de terra, muito fértil, é formado por um aglomerado de grande produção e descarte de matéria orgânica nesses locais. Nesse substrato, normalmente, também é encontrado muito material carbonizado que, ao ser analisado, ajuda na compreensão do tipo de madeira e frutas que eram consumidos pelos indígenas naquele período, entre outras coisas.

Rafael explica que o trabalho ajuda a pensar como essas populações estavam lidando tanto com o ambiente natural, quanto com o contexto social em que elas viviam. “Quando estudamos história, ainda estudamos muito da história europeia. Nós estamos buscandocompreender a história indígena pré-colonial e valorizar isso dentro darealidade nacional atual. Como essas populações lidavam umas com as outras, antes do contato com os europeus? Quais as formas criativas que elas tinham para lidar tanto com o ambiente, quanto com os problemas sociais internos a elas? ”, completou o pesquisador.

A área não foi escolhida pelos arqueólogos aleatoriamente. Entre as décadas de 1950 e 1960, o arqueólogo alemão Peter Hilbert realizou uma expedição por grande parte da Amazônia em busca de vestígios arqueológicos na região. Entre essas áreas visitadas, estava a região do lago Caiambé. De acordo com Eduardo Kazuo, os vestígios encontrados por Hilbert naquela região e na cidade de Tefé eram diferentes de outras áreas e, por isso, acabaram definindo duas antigas expressões culturais do Médio Solimões nomeadas de: fase Caiambé e Tefé, doisconjuntos cerâmicos regionais que fazem parte daTradição Borda Incisa e Tradição Polícroma, respectivamente.

Eduardo Kazuo ressalta que Hilbert foi um dos pioneiros a estudar a bacia do rio Solimões. “Peter Hilbert foi o primeiro arqueólogo que fez uma pesquisa sistemática na região. Antes dele, somente alguns pesquisadores, exploradores e viajantes relatavam sobre os vestígios das antigas aldeias indígenas. Então, ele teve um papel importante por inserir o Médio Solimões na arqueologia mundial”, afirmou o pesquisador.

De acordo com Eduardo, a nova geração de arqueólogos tem se esforçado para revisitar os sítios identificados por Hilbert e outros arqueólogos de sua geração. “Queremos ampliar as escavações, responder algumas perguntas levantadas por esses pioneiros, criticar algumas questões respondidas por eles, etc. A ideia é refinar a informação e preencher lacunas”, completou.

A vegetação de ontem e de hoje

Paralelas às coletas de vestígios arqueológicos, também foi realizadauma coleta de espécies vegetais que cercam as unidades de escavação e que ocorrem dentro e ao redor do sítio. A arqueóloga do Instituto Mamirauá, Mariana Cassino, participou das atividades de campo e é uma das responsáveis pela análise das amostrasem laboratório. “As coletas botânicas se encaixam muito dentro dos trabalhos que têm sido feitos nas áreas de Ecologia Humana eEcologia Histórica sobre a ocorrência de florestas antropogênicas na Amazônia. Existem muitosestudos que falam sobre isso, mas é muito raro que sejam feitos em concomitância com escavações de sítios arqueológicos”, comentou a pesquisadora.

As coletas botânicas subsidiam as análises dos vestígios arqueológicos. As amostras de carvãocoletadas nas unidades serão analisadas e identificadas em laboratório pelos pesquisadores. “Tem muito carvão proveniente de plantas que estavam sendo utilizadas pelas populações na época. Com a coleta botânica, identificamos as concentrações de plantas úteis existentes hoje. O que nós queremos é cruzar esses dados com as nossas análises do carvão arqueológico. Ou seja, será que encontraremos essas espécies, que detectamos hoje, também no registro arqueológico? ”, questionou Mariana.

Essa ação conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para o pagamento de bolsa de estudo.

O que já sabemos

As tradições são nomenclaturas das quais são identificadas as cerâmicas arqueológicas que possuem características similares, tais como forma, decoração, cores, matéria prima e idade. Os pesquisadores acreditam que essas similaridades podem ser indicativas de identidade de uma ou outra cultura indígena.

As cerâmicas da Tradição Borda Incisaocorreram possivelmente em toda região do médio Solimões e o período de ocupação das populações que produziam esse tipo de materialéestimado pelos pesquisadores entre 700 e 1000 d.C..As aldeias possuíam locais destinados exclusivamente para enterrar os mortos em urnas funerárias. E nas áreas onde são encontrados esses vestígios, há grande concentração de terra preta. De acordo com Rafael, a cerâmica dessa tradição está associada às populações que falavam língua Aruaque. “São populações caracterizadas por fazerem redes multiétnicas, estavam em contato com outras populações e trocavam materiais, o que é uma análise interessante”, disse. Outra característica interessante é que parte dessas cerâmicas possuem decorações que imitam a forma de animais como tartarugas, pássaros e até macacos

Já as cerâmicas da Tradição Polícroma são associadas até um período de ocupação mais recente, após o contato dessas populações indígenas com os colonizadores. Já foram datados vestígios entre 500 até 1.700 d.C..As cerâmicas são caracterizadas por decorações em pintura vermelha e preta sobre argila branca. E alguns arqueólogos acreditam que esse material possa estar associado à dispersão de populações que se comunicavam em língua Tupi. Alguns vestígios encontrados associados a essa tradição eram urnas funerárias com decoração antropomorfa, com rostos de animais sobre a cabeça, como as urnas encontradas na região de Tefé há dois anos. “O que essas urnas do Tauary ajudam a pensar é que existe alguma essência xamanística desses personagens”, comentou Rafael.

 

Publicidade
Publicidade