Publicidade
Amazônia
ILEGAL

Batalhão Ambiental da PM apreende 3,5 toneladas de carne de Pirarucu em barco

Apreensão ocorreu após denúncia de que a embarcação 'Presente do Pai' estaria prestes a aportar na orla de Manaus trazendo Pirarucu escondido embaixo de outros peixes 27/10/2015 às 11:54 - Atualizado em 16/12/2015 às 14:01
Show bpamb apreendeu toneladas pirarucu acrima20151008 0040 23
BPAmb apreendeu 3,5 toneladas de Pirarucu (Divulgação/BPAmb)
Anônimo redator

O Batalhão de Policiamento Ambiental do Amazonas apreendeu ontem (7) cerca 3,5 toneladas de pescado Pirarucu ilegal, em mantas frescas e mantas salgadas, dentro de uma embarcação na orla de Manaus, nas proximidades da Feira da Panair.

A apreensão ocorreu após denúncia feita à linha direta do Batalhão Ambiental, a qual dava conta de que a embarcação de nome “Presente do Pai” estaria prestes a aportar na orla de Manaus trazendo, na câmara frigorífica, Pirarucu escondido debaixo de outros peixes de menor valor comercial.

A equipe do Batalhão se deslocou até a região central da cidade e efetuou patrulhamento fluvial por toda a orla da região, avistando a referida embarcação já nas proximidades da Feira da Panair.

Ao realizar a abordagem à embarcação, o responsável foi indagado se estaria transportando pescado ilegal, tendo ele respondido que não. De fato, à primeira vista, não era possível verificar a existência de produtos ilícitos, pois havia na camada superficial apenas gelo e outras espécies de peixes como o Aruanã, Tucunaré e pescada.

Entretanto, ao escavar aproximadamente 70cm dessa camada, foram visualizadas as primeiras mantas de pirarucu fresco. Na vistoria completa foram encontrados 2.100 quilos de manta fresca de Pirarucu, 1.400 quilos de manta salgada de Pirarucu e aproximadamente 1.500 quilos de outras espécies.

O Pirarucu (Arapaima gigas) está em defeso permanente, ou seja, durante todo o ano, conforme as Instruções Normativas do Ibama N° 34/2004 e a N° 01/2005, podendo ser comercializado apenas quando oriundos de piscicultura licenciada por órgão ambiental competente ou de área de manejo devidamente autorizada pelo Ibama.

Segundo a Lei de Crimes Ambientais, no artigo 34, pescar em período no qual a pesca seja proibida, ou em lugares interditados por órgão competente, é crime com pena de detenção de um ano a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Incorre as mesmas penas quem transportar, comercializar, beneficiar ou industrializar espécimes provenientes da coleta, apanha e pesca proibidas.

O responsável pela embarcação foi preso em flagrante. Todo o pescado apreendido foi exibido à autoridade competente e posteriormente doado para entidades sem fins lucrativos, como preceitua a Lei de Crimes Ambientais. Para denunciar crimes ambientais ligue para o 190 ou para a linha direta do Batalhão Ambiental (92) 9 8842-1547.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade