Publicidade
Amazônia
Amazônia

Boca do Acre decreta situação de emergência devido a cheia

O município do Amazonas decretou na última sexta-feira (27) Situação de Emergência por conta da enchente. Mais de mil famílias foram atingidas 03/03/2015 às 08:35
Show 1
Com o município de Boca do Acre, sobe para sete o número de cidades do Amazonas em Situação de Emergência
acritica.com Boca do Acre (AM)

A Defesa Civil do Estado vai montar uma força tarefa para atender o município de Boca do Acre, na calha do Purus, que decretou na última sexta-feira (27), Situação de Emergência por conta enchente. A cidade já contabiliza mais de mil famílias afetadas e sofre diretamente o impacto dos rios do Estado do Acre, onde a capital Rio Branco, já decretou Estado de Calamidade Pública por conta da cheia.

Além das cestas básicas que já foram enviadas via fluvial (27 toneladas), com previsão de chegada ao município ainda esta semana, as famílias serão assistidas com colchões, medicamentos e barracas de emergência para garantir abrigo àquelas que não para onde ir.

A cota de emergência hoje, 02, em Boca do Acre é de 19m23cm, ultrapassando a cota de alerta (18m50cm) e a de transbordamento (19m05cm).

Balanço

Com o município de Boca do Acre, sobe para sete o número de cidades do Amazonas em Situação de Emergência: Itamarati, Guajará, Ipixuna, Eirunepé e Envira, na calha do Juruá e Canutama, no Purus.

Os municípios de Tabatinga, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença, Santo Antônio do Iça, Tonantins, Atalaia do Norte, Benjamin Constant (Alto Solimões) e Humaitá (Madeira), continuam em alerta.

A Defesa Civil do Estado já realizou ao todo o envio de 105 toneladas de alimentos não perecíveis, para garantir a proteção alimentar das mais de 11mil famílias afetadas.

Orientações 

O Secretário da Defesa Civil do Estado, coronel Roberto Rocha, salientou que por conta da repetição anual dos fenômenos naturais extremos no Amazonas, os municípios tem dificuldades de recuperação do desastre, por isso é fundamental o apoio do Estado.

O gestor cobrou ainda maior empenho e eficácia das Prefeituras Municipais, no preparo técnico, administrativo e operacional das Defesas Civis.

“Os eventos naturais ocorrem todos os anos e o Estado, por meio da Defesa Civil, realiza capacitações, orientações e assessoria técnica específica para preparar esses municípios para o período de cheia, porém, a atuação mais eficaz por parte do poder publico municipal, é necessária, finalizou.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade