Terça-feira, 12 de Novembro de 2019
Vazante

Defesa Civil visita municípios afetados pela vazante no Sul do Amazonas

O secretário executivo da Defesa Civil do Estado, coronel Fernando Pires Júnior, informou que atualmente a preocupação é destinada à calha do Purus, principalmente ao município de Boca do Acre



Vazante.JPG Técnicos da Defesa Civil do Amazonas visitam, a partir de hoje, municípios do Purus, Jurá e Madeira, que sofrem com a vazante (Jean Leite / colaborador)
16/08/2016 às 10:26

A vazante no sul do Amazonas começa afetar criações de gados, agricultura e o transporte de cargas na região. Conforme a Defesa Civil do Estado, três calhas de rios (Purus, Juruá e Madeira) estão em estado de alerta. Hoje, técnicos da Defesa Civil visitarão os municípios afetados para traçar os planos de trabalho que serão executados, caso a situação se agrave.

O secretário executivo da Defesa Civil do Estado, coronel Fernando Pires Júnior, informou que atualmente a preocupação é destinada à calha do Purus, principalmente ao município de Boca do Acre. Ontem, o rio atingiu a cota de 14,46 metros e ficou a 97 centímetros para atingir a cota da vazante histórica que é de 13,49 metros.



“Faltam 97 centímetros e estamos acompanhando de perto e traçando planos de trabalho, de reabastecimento para as comunidades, para evitar que os danos se agravem, afirmou o secretário. 

Até ontem, 15 municípios estavam em estado de alerta e dois municípios em estado de atenção por conta da vazante deste ano.

Além dos técnicos da Defesa Civil, os municípios  também vão colaborar, elaborando os planos de trabalhos emergenciais e planos de reabastecimento dessas localidades. “Nossos técnicos irão nos manter informados sobre toda a situação diariamente, para que possamos participar de todas as decisões que serão adotadas sobre a situação de cada município”, reforçou Pires.

Agricultura afetada

As criações de gados e produções de agricultores começaram a ser afetados com a vazante que ocorre no sul do Amazonas. Conforme o presidente do Sindicato Rural do Sul do Amazonas (Sindisul), Carlos Roberto Koch, o fato de neste ano não ter ocorrido grandes cheias colaborou com a extensão dos pastos para o gado, porém com a atual situação de vazante, a preocupação é com as plantações que não cresceram, devido a escassez de chuva. 

“O fundamental para o crescimento das plantações é a chuva, e por enquanto estamos desassistidos. Essa situação pode prejudicar no crescimento das plantações, mas por enquanto nada é alarmante”, comentou Koch.

O presidente informou que toda a situação é repassada para os representantes municipais para que estejam cientes  e busquem meios de evitar problemas mais sérios e busquem soluções, caso seja necessário.

Baixo nível do Madeira dobrou tempo de viagem de barco

Com o baixo nível das águas no sul do Amazonas, embarcações tem reduzido cerca de 30% da capacidade de cargas transportadas para continuar navegando. As dificuldades de navegação quase que dobraram o tempo de viagem.  O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial no Estado do Amazonas (Sindarma), informou que o baixo nível do rio Madeira tem gerado restrições para navegação fluvial como também ocasionou impactos negativos no transporte de passageiros em barcos.

“O tempo de viagem aumentou e as empresas de navegação precisam reduzir cerca de 30% da capacidade de cargas transportadas nas embarcações para continuar navegando”, informou a entidade.

A Marinha do Brasil restringiu a navegação na Hidrovia do Madeira entre Porto Velho e Humaitá. Houve suspensão da navegação noturna de comboios de embarcações em trecho do rio situado em Rondônia.

Visita Técnica

A Defesa Civil do Estado informou que os municípios de Beruri (calha do Purus) e Juruá (calha do Juruá) estão em estado de atenção e outros 15  estão em estado de alerta. Todos irão receber equipes técnicas da Defesa Civil para traçar os planos de trabalho  que serão executados neste período.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.