Publicidade
Amazônia
Amazônia

Calor exagerado pode influenciar na vazante do Rio Negro

Como a cheia não foi tão grande, a tendência é que a seca fique entre as maiores dos últimos cinco anos 28/09/2015 às 21:25
Show 1
Fenômeno El Niño pode alterar todas as estatísticas e previsões dos especialistas sobre a vazante deste ano
Nelson Brilhante Manaus (AM)

Manaus 40 graus! O calor exorbitante dos últimos dias na capital amazonense e zona periférica podem alterar o ciclo, aparente normal, da vazante dos rios. A descida das águas no Amazonas, que vinha ocorrendo num ritmo lento nos últimos dias acelerou.

Ontem (28), o rio Negro desceu 20 centímetros, um centímetro a mais que a maior marca registrada na mesma data do ano passado. Como a cheia não foi tão grande, a tendência é que a seca fique entre as maiores dos últimos cinco anos.

A preocupação é com os altos índices de efeito do El Niño, fenômeno causado pelo aquecimento das águas do mar do Pacífico além do normal e pela redução dos ventos alísios na região equatorial.

A principal característica do El Niño é a capacidade de afetar o clima a nível mundial, através da mudança nas correntes atmosféricas. O efeito pode mudar o ciclo da natureza a longas distâncias.

Inevitavelmente essas alterações que ocorrem há milhares de quilômetros, afetam o processo de descida das águas na nossa região.

Descida

No ano passado, a marca de 20 centímetros, na descida só ocorreu no dia 17 de outubro e a máxima, só foi em 9 de outubro (23 centímetros). De acordo com o engenheiro Walderino Pereira, do Serviço de Hidrologia do Porto de Manaus, até o momento os números não preocupam, mas admite que as alterações da natureza são imprevisíveis. Nenhum órgão da área previu que a população de Manaus enfrentaria níveis de temperatura do ar tão altos nesses dias.

A última vazante registrou 58 centímetros de sexta-feira (25) até ontem. Sábado e domingo manteve a média de 19 cm por dia e ontem atingiu 20 centímetros. Normalmente a interrupção da vazante ocorre geralmente no início de novembro de cada ano.

A vazante de 2014 foi de 19,90m. Para chegar a esse patamar, os rios têm que baixar um pouco mais de 4 metros.

Dúvida

De acordo com o gerente de Hidrologia e Gestão Territorial do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), André Santos, enquanto o rio Negro está com descida “modesta”, as fontes ou os fenômenos naturais mudam a rota do processo. “Até agora não se pode falar nada sobre a vazante. Esse calor exagerado pode influir no processo de seca dos rios”, analisa Santos.

Setembro seco

Segundo o CPRM, o município de São Gabriel da Cachoeira (distante  858 quilômetros de Manaus) está registrando o maior índice de seca de todos os tempos.

“Lá, a vazante ocorre de janeiro e fevereiro. Dezembro o rio começa a subir. Aqui, normalmente o processo começa em novembro“, explica o gerente André Santos.

Recorde

A maior seca registrada no estado do Amazonas ocorreu em 2010, atingindo 13,63m, no dia 24 de outubro, curiosamente na data de aniversário da cidade de Manaus. O rio Negro chegou a baixar 6 metros em apenas um mês. Entretanto, não influenciou na  enchente.

Publicidade
Publicidade