Publicidade
Amazônia
Amazônia

Cheia do Rio Negro em Manaus deve atingir máxima de 29,59 m, sem passar recorde de 2012

Ano passado, a subida natural das águas teve máxima de 29,50 metros, nove centímetros a menos que o previsto para este ano. Recorde é 29,97 m, em 2012 31/03/2015 às 13:02
Show 1
A cheia recorde do Rio Negro foi a de 2012, quando o nível da água chegou a marca histórica de 29,97 metros
VINICIUS LEAL E NELSON BRILHANTE Manaus

A subida natural das águas do Rio Negro este ano em Manaus deve atingir a máxima de 29,59 metros, sendo assim a quarta maior da história, conforme primeira previsão divulgada pelos órgãos de controle nesta terça (31). Atualmente, a o nível do rio em Manaus está em 26,77 m.

A cota máxima para este ano deve ficar nove centímetros acima da cheia de 2014, quando o nível do Rio Negro chegou a 29,50 metros na capital, e também não deve ultrapassar o recorde histórico de 2012, quando o Rio Negro chegou a 29,97 metros em Manaus.

Essa é a primeira previsão para níveis da cheia do Rio Negro em 2015 em Manaus, e mais duas previsões devem ocorrer em 30 de abril e 30 de maio, conforme a Defesa Civil do Estado, do Município e o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

Segundo os dados, em 2015 a previsão é máxima de 29,59 m, mínima de 28,89m e média de 29,24 m. Em 2014 o rio atingiu máxima de 29,50 m, porém as previsões para aquele ano eram mínima de 28,79 m e máxima de 29,49 m, um centímetro a menos do que foi na realidade.

Em 2013, a máxima do Rio Negro em Manaus foi de 29,33 m. O recorde histórico é de 2012, quando o rio atingiu 29,97 m. Em seguida, depois de 2012, vem a cheia de 2009 (29,77 m), a de 1953 (29,69 m) e, por último, a cheia deste ano (29,59 m), seguindo as previsões.

Municípios

Além de Manaus, outros municípios do Amazonas também são afetados pela subida dos rios. Segundo a Defesa Civil do Estado, mais dois municípios decretaram Situação de Emergência por conta da cheia: Atalaia do Norte e Benjamin Constant, e hoje são 12 nesse rol. O único município em Estado de Calamidade Pública é Boca do Acre.

Em Situação de Emergência estão os municípios de Itamarati, na região do Juruá; Guajará (Juruá); Ipixuna (Juruá); Eirunepé; Envira; Canutama (Purus); Tapauá (Purus); Carauari (Purus); Pauiní (Purus); Lábrea (Purus); e agora, também, Atalaia do Norte (Alto Solimões) e Benjamin Constant (Alto Solimões).

Ainda conforme a Defesa Civil Estadual, cinco municípios do Amazonas estão em Situação de Alerta: Tabatinga, na região do Alto Solimões; São Paulo de Olivença, também no Alto Solimões; Santo Antônio do Iça, no Alto Solimões; Tonantins, também no Alto Solimões, e Humaitá, na região do Madeira.

Ajuda humanitária

Até agora, 98.436 pessoas e 13.685 famílias foram afetados pela subida dos rios. Conforme a Defesa Civil, 321 toneladas de alimentos não perecíveis foram enviadas às cidades, além de kits dormitório e de higiene pessoal, medicamentos, filtros de água e hipoclorito de sódio. Só na campanha “Governo Solidário” foram 22 toneladas doadas.

Boca do Acre

Especificamente no município de Boca do Acre, que está em Estado de Calamidade Pública, são 20.905 pessoas e 4.181 famílias afetadas, sendo 71 famílias alojadas nos abrigos humanitários. Só para Boca do Acre foram enviados 47.300 toneladas de alimentos não perecíveis e outros itens.

Publicidade
Publicidade