Publicidade
Amazônia
FENÔMENO

Chuva de granizo dura uma hora e é registrada pelo Sipam no município de Maués

Chuva apresentou volume líquido de 9,6 mm e a temperatura nesse período, entre 19h e 20h, caiu cerca de 7°C 31/08/2017 às 12:39 - Atualizado em 31/08/2017 às 13:22
Show ca2abab4 a935 4b15 a06e cad94c724ef2
(Foto: Reprodução/Internet)
Tiago Melo Manaus (AM)

O Serviço de Proteção da Amazônia (Sipam) registrou, na noite de quarta-feira (30), uma chuva de granizo em Maués, município do interior do Amazonas, distante 276 km de Manaus, com uma hora de duração. Segundo o órgão, a chuva, registrada pela estação meteorológica do município, apresentou volume líquido de 9,6 mm. A temperatura nesse período, entre 19h e 20h, caiu cerca de 7°C.

Este é o segundo caso de granizo no Estado do Amazonas neste mês. O primeiro ocorreu no dia 16, no distrito de Santo Antônio de Matupi, localizado no Km 180 da rodovia federal BR-230, dentro do perímetro do município de Manicoré, a 332 quilômetros de Manaus. Não houve relatos de danos materiais causados pelo fenômeno.

De acordo com o órgão, pelo Estado ser muito grande e pouco habitado, é provável que muitas ocorrências desse tipo aconteçam e nem sejam registradas, mas nada que seja alarmante ou fora do comum.

"Tais ocorrências são mais ou menos esporádicas e não tem sido relatados tamanhos significativos dessas pedras de gelo. O tempo de duração também é curto. Com base nisso, basta abrigar-se por alguns instantes e logo o fenômeno se dissipa", afirmou o Sipam em nota enviada nesta quinta-feira.

Conforme o Sipam, ao contrário do que se pensa, a chuva de granizo não é típica de lugares frio, mas sim de pontos onde a atmosfera está aquecida.

"Estamos no verão amazônico e nesse período está sempre quente e úmido. Quando, eventualmente, essas regiões aquecidas recebem massas de ar úmido (provenientes da evapotranspiração da floresta ou da evaporação de corpos d'água), esse processo de formação de nuvens de forte desenvolvimento vertical, cúmulo-nimbos, é disparado podendo ocasionar precipitação de granizo", concluiu o Serviço de Proteção da Amazônia.

Publicidade
Publicidade