Publicidade
Amazônia
TECNOLOGIA

Crianças criam app interativo para quem visita o Museu da Amazônia

Meninos e meninas de 10 a 13 anos criaram o aplicativo 'Trilha Interativa', que funciona por meio do QR Code, durante aulas de robótica 03/06/2018 às 14:26
Show manaostech trilhainterativa3
(Foto: Divulgação)
acritica.com Manaus

Cada vez mais conectadas à tecnologia, não tem como negar que as crianças de hoje são ‘filhas da era digital’. Prova disso foi o aplicativo criado pelos alunos da escola de robótica Manaós Tech for Kids que possibilita, de formas divertida e interativa, que os visitantes do Museu da Amazônia (Musa) possam adquirir um pouco mais de conhecimento sobre a Reserva Florestal Adolpho Ducke e sobre o próprio Museu, durante a visitação.

Foi com a preocupação em ajudar a aumentar a divulgação do Musa, que meninos e meninas de 10 a 13 anos, estudantes da turma ‘Jedi’ de robótica, decidiram criar o aplicativo “Trilha Interativa”, que funciona via QR Code (Quick Response, reposta rápida em português; que é um código de barras bidimensional que pode ser facilmente escaneado, usado pela maioria dos telefones celulares equipados com câmera).

“Nós descobrimos, por meio de uma pesquisa que fizemos, que sete de cada dez pessoas aqui em Manaus não conhecem o Musa, e isso é ruim porque nos leva a só 15% da bilheteria daquilo que é necessário para manter o Museu. Por isso, nós decidimos ajudar dessa forma, criando o aplicativo para que cada vez mais pessoas possam frequentar o Musa”, explica a pequena ‘Jedi’, Klivia de Lima Antero, de 13 anos.

Klivia ensina como o app funciona. “A pessoa que visita o Musa, se depara com algumas plaquinhas informativas pelo o caminho. Então, ela pega o celular dela, ativa o aplicativo na opção “scanear”e posiciona o celular em cima da foto que está na plaquinha, daí aparecem várias informações sobre aquela determinada espécie que está na foto. E, depois que a pessoa tiver bastante informações a respeito do Musa, ela vai poder jogar o game que são várias perguntas para serem respondidas sobre a floresta, as plantas, sobre o Museu em si, animais, entre outros”, explica a pequena inventora.

Outra aluna da turma de ‘Jedi’ da escola de robótica Manaós Tech, Júlia Fernanda Pereira da Silva Lago Lima, 12 anos, reforça a importância do Museu para a região. “O nosso tão lindo Musa é muito importante para a nossa região. Ele é uma barreira entre o cinza e o verde e não deixa que a cidade atropele a floresta e nem que a floresta atropele a cidade. Nele podemos encontrar diversas espécies como é o caso do nosso sauim de coleira que é uma espécie que já está em perigo de extinção e que só existe aqui na nossa região. Então, por isso estamos divulgando o Musa”, reforçou a aluna.

Para o CEO da Manaós Tech, Glauco Aguiar, a iniciativa dos alunos em criar o aplicativo, que passou pela mentoria dele, só vem reforçar a ideia de que as crianças estão mudando de pensamento e entendendo mais o papel delas na sociedade.

“Nossos alunos estão cada vez mais conscientes de que precisam um futuro melhor e é claro, de que são parte importante nesse processo de transformação do ser humano e de preservação da natureza”, reforça o educador.

 

Publicidade
Publicidade