Publicidade
Amazônia
Amazônia

Data de reintegração de posse de terreno invadido por índios será definida na quarta-feira (11)

Além de marcar a data para o cumprimento da liminar que determina a reintegração de posse, os representantes da segurança, meio ambiente e habitação devem decidir os procedimentos que serão adotados na ação 09/09/2013 às 16:07
Show 1
De acordo com a Polícia, o terreno invadido pertence a uma igreja evangélica
Bruna Souza Manaus, AM

Uma reunião com o sistema de segurança e órgãos das áreas ambiental e social nesta quarta-feira (11) deve decidir o dia em que será realizada a reintegração de posse do terreno invadido por indígenas de várias etnias no KM 6 da AM- 070 - rodovia Manoel Urbano – e verificar os procedimentos da ação.

O encontro acontecerá no Gabinete de Gestão Integrada (GGI), localizado na sede da Secretaria de Segurança Pública (SSP). A liminar de reintegração de posse foi expedida no dia 30 de agosto e na ocasião foi dado um prazo de 72 horas para os invasores deixarem o terreno, porém, os índios dizem que vão permanecer na área.

Devem participar da reunião representantes de órgãos do Meio Ambiente, da Polícia Federal, das Secretarias de Habitação (Suhab), de Infraestrutura (Seinfra), Ação Social, Fundação Nacional do Índio (Funai), o comandante da Polícia Militar do Amazonas, coronel Almir David, o secretário de Segurança Pública, Paulo Roberto Vital, entre outros.

De acordo com Almir David, por se tratar de uma área federal, a Polícia Militar vai dar apoio à ação com o policiamento e equipamentos táticos do Comando de Policiamento Especial (CPE), composto pelo Batalhão de Choque, Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam), canil e Grupamento Aéreo (Graer).

“Esperamos que os ocupantes da área cumpram a determinação da justiça e saiam do terreno invadido de forma pacífica. Não é necessário ter confronto, pois eles já tiveram um período para realizar a ampla defesa. O melhor agora a se fazer é sair do local e recorrer da decisão dentro da esfera judicial”, declarou o comandante.

Almir David declarou ainda que a polícia, juntamente com a Secretaria Executiva de Inteligência (Seai), tem feito um monitoramento nas invasões para verificar quem são os líderes. “Verificamos que alguns líderes têm invadido outros terrenos. Quem for reincidente nesse tipo de ação, deve responder a um inquérito judicial”, finalizou.

Publicidade
Publicidade