Publicidade
Amazônia
CHEIA

Defesa Civil da Prefeitura de Benjamin Constant (AM) emite primeiro alerta de cheia

Segundo a coordenadoria da Defesa Civil em Benjamin Constant, a cota de alerta do nível do Rio Solimões registrada em 2009 foi de 11m30cm e em 2015, de 11m40cm 28/03/2016 às 19:07 - Atualizado em 29/03/2016 às 11:10
Show 1eca846c 092f 407c 8606 5114b9737c76
A cheia deste ano de 2016 é semelhante a cheia registrada em 1999, a maior cheia já registrada na cidade de Benjamin Constant, atingindo pouco mais de um terço da cidade (Divulgação)
ACRITICA.COM Manaus (AM)

A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil da Prefeitura de Benjamin Constant (a 1.116 km de Manaus, região do Alto Solimões, sudoeste do Estado) emitiu na manhã desta segunda-feira, 28 de março, comunicado de alerta em relação da cheia deste ano. Segundo comunicado da Defesa Civil entregue para a prefeita Iracema Maia (PSD), a cota do rio registrado na manhã desta segunda-feira foi de 11m63cm, 20 centímetros a mais do que foi registrado em 31 de março do ano passado (2015).

Segundo a coordenadoria da Defesa Civil em Benjamin Constant, a cota de alerta do nível do Rio Solimões registrada em 2009 foi de 11m30cm e em 2015, de 11m40cm.

De acordo com a Coordenadoria, a cheia deste ano de 2016 é semelhante a cheia registrada em 1999, a maior cheia já registrada na cidade de Benjamin Constant, atingindo pouco mais de um terço da cidade.

A coordenadora da Defesa Civil de Benjamin Constant, Gleissimar Castelo Branco assinalou no ofício alertando que a cheia já atingiu as comunidades localizadas nas ilhas fluviais de Bom Intento, Aramaçá, Arariá e em quatro ruas na área urbana da cidade resultado da elevação dos rios Solimões e Javari.

No ano passado, o nível das águas alcançou a marca de 13m77cm. Foi a segunda maior cheia registrada no município, superada apenas pela marca de 13m82cm registrada em 1999.

Parte dos moradores da Rua 5 de Setembro na área central da cidade já começam a sofrer os efeitos da cheia. A rua está localizada em uma das áreas mais baixas da cidade, às margens do Javarizinho, braço o Rio Javari, que faz a divisa entre o Brasil (margem direita) e Peru (margem esquerda).

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade