Quarta-feira, 22 de Maio de 2019
Amazônia

Duas décadas: Bosque da Ciência é uma janela para conhecer a fundo a fauna e a flora amazônica

Visitado por mais de 100 mil pessoas só em 2015, o Bosque da Ciência encanta os turistas e amazonenses por sua beleza natural; até príncipe e imperador já visitaram o parque



1.jpg
Bosque é uma opção para quem pretende ficar em Manaus durante as férias e quem vem de outros Estados
10/01/2016 às 22:05

CONFIRA O VÍDEO

“Por aqui aconteceram fatos interessantes, por exemplo, a vinda do Imperador do Japão, quando teve o maior esquema de segurança já visto dentro do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) e a visita do príncipe Charles, herdeiro do trono do Reino Unido, em 2009”. Quem lembra esses fatos é o chefe substituto do Bosque da Ciência, Ney Amazonas.

Ele trabalha há 38 anos no Inpa/MCTI, 19 somente no Bosque, que este ano completa 21 anos de existência. “O Bosque da Ciência é um espaço dentro de uma instituição de pesquisa que foi aberto para que as pessoas, ao mesmo tempo em que visitam, possam se divertir e ter informações sobre o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia”, comenta.

Ney conta que o local é um parque botânico, onde se encontra a maior folha do mundo, a Coccoloba, que chega a ter 2,50 metros de comprimento por 1,44 de largura na fase adulta e a Ilha da Tanimbuca (uma área composta de um pequeno riacho onde se encontram peixes, quelônios e vegetação nativa, como a árvore Tanimbuca com mais de 600 anos).

O funcionário revela que tem também um espaço dedicado aos insetos aquáticos com informações, onde o visitante pode interagir para saber a importância deles na natureza. Há ainda, conforme ele, amostras de várias espécies de borboletas e de insetos que vivem na região amazônica. E dentro da exposição permanente da Casa da Ciência encontra-se uma demonstração de como viviam os seringueiros.

No espaço, os visitantes também podem ter contato direto com a natureza e conhecer animais nativos da região, como a ariranha e o peixe-boi da Amazônia, que é a grande estrela do Bosque da Ciência. “Tem pessoas que vem aqui com a intenção unicamente de vê-lo por não saberem das outras atrações. Mas nós ainda temos o Lago Amazônico, que tem varias espécies de peixes e tartarugas e o viveiro de jacarés”, destaca Ney.

Ele finaliza dizendo que o Bosque é um parque botânico, mas que tem um projeto chamado “fauna livre”, onde a pessoa ao passear por suas trilhas pode cruzar com macacos, preguiças, cutias e tucanos, que vivem soltos na natureza. “Muitas pessoas chegam aqui achando que vai encontrar uma série de animais, mas não somos um zoológico. Porém, é possível encontrar diversas espécies durante as trilhas”, conclui.

Entrada

Para ter acesso aos atrativos do Bosque da Ciência é preciso pagar uma taxa de R$ 5. Crianças até 10 anos e idosos com mais de 60 anos não pagam. Escolas, comunidades carentes e grupos religiosos agendados previamente têm entrada franca.

Horário

O Bosque funciona de terça a sexta-feira, de 9h às 12 e de 14h às 16h, e sábados, domingos e feriados no mesmo horário, porém sem intervalo de almoço.

Frase

“A visita inesquecível pra mim, em Manaus, foi quando fui ao Teatro Amazonas, principalmente na época do Natal. Ele estava muito bonito”. Fernanda Salatti - universitária.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.