Publicidade
Amazônia
Calor

El Niño causa dia mais quente em Manaus desde 1925

Meteorologista explica que o fênomeno, que aquece águas do oceano Pacífico, interfere nas temperaturas na Amazônia 27/10/2015 às 11:50 - Atualizado em 16/12/2015 às 13:40
Show manaus dia quente
Sem a tradicional formação de nuvens, por causa do El Niño, região recebe mais raios solares e fica mais quente (Lucas Amorelli/Free lancer)
Anônimo redator

Manaus registrou neste último final de semana o dia mais quente da história desde 1925. De acordo com o meteorologista do 1º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologista (INMET), Gustavo Ribeiro, domingo a temperatura chegou aos 38,6 graus, com a sensação térmica de 40,2 graus., e ultrapassou o maior registro ocorrido em setembro de 2010, quando a temperatura marcou 38,3 graus.

Ribeiro explicou que a temperatura é considerada normal para este período do ano quando estamos em plena estação seca, considerado pelos meteorologistas como estação menos chuvosa. Porém, este ano, por estarmos sob o efeito do fenômeno climático conhecido como El Niño, que é o aquecimento anômalo das águas superficiais e sub-superficiais na região Equatorial do Oceano Pacífico, que causa uma modificação da circulação dos ventos, dificultando a formação de nuvens em grande parte da região amazônica, o calor está mais intenso do que o normal. “Com isso mais radiação solar chega a superfície terrestre e mais elevadas temperaturas do ar são registradas”, reforçou.

A meteorologista do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), Deydila Bonfim, informou que acredita-se que o atual evento ocasionado pelo El Ninõ, deve agir em parte da Amazônia por mais 4 meses. Conforme a meteorologista, a transformação da paisagem natural pelo homem, com o desenvolvimento das cidades, redução da vegetação nativa e impermeabilização da superfície, pode causar mudança no clima urbano, gerando ilhas de calor mais intenso, no qual estamos vivenciando neste período do ano.

“Estamos no período da estação seca que caracteriza-se pela presença mais frequente de dias com céu claro, poucas nuvens, maior disponibilidade de radiação solar, temperaturas elevadas e menor volume de precipitação (chuva). Além disso, este ano temos a presença do fenômeno El Niño que acentua esses padrões já esperados durante este período”, reforçou sobre as atividades relacionadas com o fenômeno El Ninõ.

Os dois órgãos informaram que a previsão para os próximos dois dias é de dias com um pouco mais de nebulosidade e com pequena possibilidade de chuvas em áreas isoladas, devido ao calor, que deve se manter nos próximos dias.

Condições adversas para as chuvas

Sobre as condições oceânicas observadas pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) restou claro que a atmosfera mantêm condições desfavoráveis para o regime de precipitação, especialmente na porção norte da Amazônia, e isso conduz a ocorrência de temperaturas elevadas de 1ºC a 2ºC acima da média. “Alguns sinais observados no Oceano Pacífico Equatorial são indicativos da ocorrência do fenômeno El Niño, quando persistentes de 3 meses ou mais”, disse.

Esses sinais são de as anomalias positivas da temperatura da superfície do mar conhecida como TSM; a redução (ou mesmo a inversão) no comportamento dos ventos alísios; alterações nos centros de alta(Tahiti) e baixa (Darwin) pressão. “Esses sinais são indicativos de mudanças na circulação atmosférica, as quais afetam o regime de chuvas em parte da Amazônia”, completou a meteorologista.

Variação

Conforme o site oficial do INMET, a temperatura do ar pode variar de 26 a 38 graus. Com o tempo nublado a parcialmente nublado com possibilidade de chuva em áreas isoladas.

Publicidade
Publicidade