Publicidade
Amazônia
hidrologia

Enchentes dos rios no Amazonas seguem em ritmo lento este ano, mostra CPRM

De acordo com o pesquisador em geociências do CPRM Andre Luis Martinelli Real dos Santos, na bacia do Purus as estações monitoradas estão em início de vazante com cotas abaixo da média para época 17/05/2016 às 20:24 - Atualizado em 18/05/2016 às 11:05
Show tabatinga
As medições na estação de Tabatinga indicam que o Solimões já entrou em processo de vazante com baixa de 70 cm (Foto: Arquivo/AC)
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Conforme monitoramento da Gerência de Hidrologia e Gestão Territorial da Superintendência de Manaus do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), ainda é cedo para falar de magnitude da vazante em 2016. Com relação à cheia no Estado a previsão é de que não haverá um evento crítico.

De acordo com o pesquisador em geociências do CPRM Andre Luis Martinelli Real dos Santos, na bacia do Purus as estações monitoradas estão em início de vazante com cotas abaixo da média para época. No rio Acre, na estação de Rio Branco, a cota encontra-se abaixo da registrada no mesmo período em 2011, ano em que ocorreu a vazante máxima da série.

Na bacia do Negro as estações monitoradas estão em processo de enchente, apresentando níveis dentro dos limites considerados normais. “No Rio Branco, afluente do Negro, o nível em Boa Vista encontra-se em processo de enchente, com cotas ainda abaixo da média para época”.

No levantamento feito pelo CPRM o nível do rio Solimões segue monitorado em processo regular . “Em Tabatinga, o nível do rio indica início do processo de vazante, baixou cerca de 70 cm desde o dia 28 de abril até hoje”, indicou pesquisador.

Na bacia do Amazonas as estações seguem monitoradas em processo de enchente com níveis baixos para época e no rio Madeira, na estação de Humaitá as cotas indicam início de vazante. Em Manaus a cota do Rio Negro é de 26,54m.

Volume de chuva

O Centro Regional de Manaus Divisão de Meteorologia informou que durante o mês de maio, no Amazonas, os maiores volumes de chuva foram registrados no noroeste do Estado, parte central e nordeste, superando os 50mm. Por outro lado, os menores acumulados ocorreram  no sul, oeste e norte do estado, a exemplo dos municípios de Tabatinga, Santo Antônio do Içá, grande parte de Barcelos e São Paulo de Olivença (com acumulados abaixo de 10mm). Segundo o Center for Ocean-Land-Atmosphere Studies (Cola), o prognóstico de precipitação para a semana  sugere o aumento de chuvas no Estado.

Dentro do esperado

Em Manaus, as chuvas no mês de maio deverão ocorrer próximas à normalidade, ou seja, volumes entre 181 e 256 mm. Até o momento a estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 76,6mm e a estação convencional 85,8mm.

Publicidade
Publicidade