Publicidade
Amazônia
Amazônia

Estudo aponta 20 locais de risco para crianças e adolescentes nas rodovias federais do AM

Governo federal disponibiliza dados para fundamentar prevenção nas cidades-sedes da Copa 07/11/2013 às 08:49
Show 1
Graça Gadelha percorreu as sedes da Copa e traçou um quadro atualizado dos riscos para crianças e adolescentes
Ana Celia Ossame ---

No Amazonas, 20 pontos situados em rodovias federais do Estado foram considerados críticos e de alto risco para exploração sexual de crianças e adolescentes no 5º mapeamento de pontos vulneráveis à exploração sexual realizado no ano passado pela Polícia Rodoviária. Nas rodovias da região Norte tem identificados como locais de vulnerabilidade, 113 postos de combustíveis, 85 pontos comerciais e 71 pontos de hospedagens.

O levantamento, denominado Mapeamento de Pontos Vulneráveis à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Federais Brasileiras (Mapear), tem sido base de dados do Disque 100, para a gestão das políticas públicas de enfrentamento dessa violação dos direitos da infância e adolescência no Brasil, de acordo com informações da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, coordenadora dessa política.

O destaque do trabalho foi feito em oficina ministrada pela socióloga Graça Gadelha, no auditório do Jornal e da TV A CRÍTICA, no último dia 5, com a participação de 30 jornalistas de várias editorias. Graça veio acompanhada da jornalista Carolina Trevisan, da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi), coordenadora o projeto, realizado em parceria com a Fundação Itaú Social, Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Childhood Brasil, cujo objetivo é conversar com jornalistas nas cidades sedes da Copa do Mundo de Futebol, levando um conjunto de informações acerca das principais tendências de vulnerabilidade contra a infância no âmbito de megaeventos.

Vulnerabilidade
Com essas informações, conforme destacou Graça, os gestores governamentais e a sociedade civil organizada podem identificar cenários e organizar ações tanto para proteger crianças e adolescentes vítimas da violência sexual quanto para responsabilizar seus agressores, daí a importância dos jornalistas conhecerem e divulgarem os dados.

As ações de mapeamento para enfrentar a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (ESCA) têm abrangência de 65.000 quilômetros de rodovias federais, distribuídos pelos 26 estados e o Distrito Federal. A parceria entre os órgãos federais e das organizações sociais acontece em todos os estados da federação, englobando mais de 3.500 municípios, disse Graça. O resultado do trabalho é tão significativo que outros países adoraram o modelo e estão replicando a experiência do Disque 100 e do Programa de Ações Integradas e Referenciais de Enfrentamento à da Violência Sexual Infanto- juvenil no Território Brasileiro (PAIR) no âmbito do Mercosul.

Publicidade
Publicidade