Domingo, 19 de Maio de 2019
Amazônia

Falta de abrigos força Amazonas a ‘exportar’ animais

Sem conseguir dar abrigo aos silvestres resgatados aqui, órgãos ambientais precisam encontrar locais fora do Estado



1.jpg
A onça pintada, espécie ameaçada de extinção, é uma das que mais sofrem com falta de espaço, por pesar até 130 kg. Um exemplar está sendo levado para o Mato Grosso
15/01/2013 às 09:25

O Amazonas, apesar de estar localizado no meio da maior biodiversidade do mundo, não possui abrigos suficientes para os mais de 800 animais silvestres que, anualmente, passam pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), provenientes de apreensões, entregas voluntárias e, em número menor, resgates. O jeito é tentar mandá-los para outros Estados brasileiros, uma tarefa nada fácil que se repete mensalmente.

Em 2012 foram 888, pertencentes a mais de 80 espécies diferentes. Os principais grupos estão entre as aves, primatas (macacos), felinos e quelônios. Alguns, são devolvidos ao seu habitat, dependendo de aspectos como o estado de saúde e o tempo em cativeiro.

Mas a maioria precisa ser transferida a criadouros controlados, como zoológicos, instituições de pesquisa, mantenedores de fauna silvestre e até voluntários, mas tudo de outros Estados. Os disponíveis em Manaus estão lotados.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.