Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
Amazônia

Fenômeno das águas do Oceano Pacífico deve aumentar o calor em Manaus, avalia Inmet

De acordo com Meteorologista Gustavo Guterres Ribeiro do Inmet, a causa desse efeito no clima do Estado é o fenômeno conhecido como El Niño, que se caracteriza pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico



1.gif A intensidade do período de sol vai estimular manauense a buscar refrescar-se nos balneários
07/10/2014 às 15:04

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) avalia que o clima em Manaus, nos próximos dois meses, será de chuva abaixo da normalidade para o período, o que deve potencializar o calor na cidade.

De acordo com Meteorologista Gustavo Guterres Ribeiro do Inmet, a causa desse efeito no clima do Estado é o fenômeno conhecido como El Niño, que se caracteriza pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico, influenciando no clima em outras regiões do globo.

O meteorologista explicou que o monitoramento feito pelo Inmet indica que, até este mês de outubro, o fenômeno deve potencializar a seca nas áreas Leste, Sul e Sudeste do Amazonas, sendo que, em outubro, a tendência é que as ocorrências de chuva aumentem, mas, ainda assim, abaixo da média do mês.

“Nós estamos no final do período seco, na verdade é período menos chuvoso, que popularmente é conhecido como verão amazônico, de junho a setembro. Já em outubro e novembro é considerado meses de transição entre os períodos seco e chuvoso, que inicia em dezembro a março, que pode ser considerado inverno, porém no amazonas não existe o verão e inverno inverso, e sim , o período que chove e o que chove menos”, disse.

Chuvas

A diminuição das chuvas no mês de agosto e setembro já é algo esperado pelos amazonenses. No entanto, este mês de outubro, por causa do El Niño, a previsão é de chuva abaixo da normalidade. “Por causa desse fenômeno no oceano Pacífico, esperamos chuvas abaixo do normal. Isso é o que se espera. Previsão é previsão. Mas a tendência é que esse quadro não se altere”, declarou o meteorologista.

Gustavo afirmou que o El Niño ocorre quando as águas do Pacífico se aquecem por mais de dois meses, causando uma alteração na circulação da atmosfera (camada de ar que envolve a terra). “A atmosfera natural não tem vácuo. Esse ar que sobe vai descer em algum lugar. Descendo, ele impede a formação de nuvens, sem nuvens não há precipitação. Então, um ramo desse aquecimento desce a leste (região que inclui Manaus) e impede a formação de nuvens. Impede que vapor d’água vá para cima, se condense e forme nuvens”, afirmou o meteorologista.

Ele informou também que nas demais regiões do Estado não há previsão de chuva diferente da normalidade para o período. Também teremos períodos chuvosos, mas as chuvas ficam um pouco a baixo da média. “O mês de outubro vai ficar entre 75 e 135 milímetros (mm) de chuva. Se chover 100 mm está dentro da média, então as previsões estão indicando que o valor no final do mês fica abaixo de 75 mm”, afirmou.

O inmet informou ainda que estamos no período que mais chove, porém, pelo fato de estar encoberto, menos radiação chega na superfície e as temperaturas são mais amenas. No período seco é o contrário, há menos nuvem e mais radiação chega na superfície, tornando a temperatura mais quente. Esse período o amazonense chama de verão, mas na realidade é para a meteorologia o período quente.

Nevoeiro só na Zona Norte

Nesta segunda-feira, parte da cidade ocorreu um nevoeiro que, segundo o meteorologista Gustavo Ribeiro, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), é um fenômeno comum para a época do ano, mas para ocorrer tem que ter diversas variáveis em conjunto, tipo: temperatura baixa, nevoeiro que só acontece à noite aqui nessa região, pois é muito raro acontecer de dia, já que no Amazonas é uma região muito quente, com sol durante o dia, o que impede de acontecer o fenômeno.

Outras características são o ar seco, vento calmo, ou quase nada de vento, disponibilidade de água. O nevoeiro geralmente acontecendo próximo a rios e/ou florestas, com as noites sem nuvens, e ser precedido de chuva no dia anterior. Como a Zona Norte é próximo ao aeroporto, tem condições para esse quadro. “A temperatura mínima no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes ontem pela manhã foi de 22°C, e na Zona Norte foi de 21°C, agora na região Centro Sul e Centro, Foi de 26, 1°C . Não deu em toda cidade, porque não estava na mesma temperatura. As regiões Centro Sul e Centro estavam quentes pela falta de mata, pela existência de prédios , asfalto, poluição e veículos muito mais que a Zona Norte e Oeste”, finalizou.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.