Publicidade
Amazônia
Lançamento Manual

Governo lança manual de combate aos lixões para auxiliar municípios

Manual quer estimular um melhor gerenciamento dos resíduos sólidos por parte dos gestores de municípios do interior do Amazonas 30/08/2013 às 19:58
Show 1
Manual foi lançado durante encerramento de Conferência em Manaus
acritica.com Manaus

Um dos destaques do último dia da IV Conferência Estadual do Meio Ambiente foi o lançamento do Manual de Combate aos Lixões, de autoria do Procurador de Justiça Mauro Roberto Veras e do Presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas, Ademir Stroski. O manual tem como um dos objetivos estimular um melhor gerenciamento dos resíduos sólidos servindo como instrumento para auxiliar os municípios nas ações de remediação dos lixões.

De acordo com os autores, o manual traz alternativas àqueles que necessitam de uma fonte de orientação no enfrentamento do problema de combate aos lixões. “O manual apresenta um diagnóstico do que temos observado ao longo dos anos nessa missão de eliminar os lixões, que é um sistema absolutamente inadequado de destinação de resíduos. Também constam os procedimentos necessários para a remediação desses lixões, bem como as medidas e a rotina necessária para escolher a área e fazer a construção e operação daquilo que nós chamamos de forma adequada de destinar os resíduos que é o aterro sanitário”, explica Ademir Stroski.

Para a Secretária da SDS, Kamila Amaral, o manual configura-se como uma das estratégias proveniente da parceria entre Ministério Público e Governo do Estado para que os municípios, a partir de suas realidades, possam identificar a forma mais adequada de eliminação. “O Manual de Combate aos Lixões reflete a realidade do interior do Estado do Amazonas, em que os 61 municípios tem lixão a ceu aberto. Confeccionamos 4 mil exemplares para serem utilizados pelas secretarias municipais de meio ambiente, no sentido de servir de base técnica para que juntos possamos mudar o atual quadro em que vivemos”, disse.

Aterro Sanitário - De acordo com o manual, o ideal e ambientalmente correto para se dispor os resíduos no solo seria o aterro sanitário, que consiste num conjunto de critérios de engenharia e de requisitos ambientais desde a escolha da área, normas para a concepção do projeto executivo, para a construção, operação e encerramento, de modo que permite um confinamento seguro em termos de controle da poluição ambiental e proteção à saúde pública.



Publicidade
Publicidade