Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Amazônia

Governo quer vacinar 150 milhões de cabeças de gado contra ‘aftosa’

Vacinação é feita pelas superintendências federais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em parceria com os serviços veterinários estaduais



1.jpg Campanha inicia neste sábado (1º)
31/10/2014 às 14:40

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento dá início amanhã (1°) à segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa. A primeira ocorreu no semestre passado, e atingiu 97,55% do rebanho de bovinos e bubalinos no país. No final de 2013, o rebanho somava 212,4 milhões de cabeças. A vacinação é feita pelas superintendências federais do ministério em parceria com os serviços veterinários estaduais.

Neste semestre a meta é vacinar 150 milhões de cabeças. Os estados promovem a vacinação de acordo com um cronograma. Em alguns deles, a imunização não abrangerá todo o rebanho. É o caso de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais; do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Tocantins, de Sergipe e do Distrito Federal, onde só será vacinado o gado com menos de 24 meses.

Segundo o Ministério da Agricultura, os animais jovens são mais suscetíveis à doença por terem recebido menos vacinas do que os mais velhos. Por isso, são vacinados duas vezes ao ano em períodos destinados especificamente a eles. Os estados se revezam para garantir a imunização.

Nos demais estados, a imunização será geral. A fase que começa neste sábado abrange a maior parte do território nacional. As exceções são Roraima, Rondônia e o Amapá, que iniciaram a campanha em outubro e dão continuidade ao processo. No Amapá, onde algumas localidades são de difícil acesso, só há uma vacinação anual. Santa Catarina, único estado brasileiro reconhecido como livre de aftosa, não integra o calendário de vacinação.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.