Publicidade
Amazônia
Amazônia

Ipaam e Sema se reúnem com representantes de banco alemão para discutir desmatamento

O objetivo foi tratar do Projeto de Prevenção e Combate ao Desmatamento e Conservação da Floresta no Estado do Amazonas, que é fruto da cooperação realizada entre os Governos do Amazonas e da Alemanha  17/10/2015 às 17:18
Show 1
O encontro também teve como foco o Cadastro Ambiental Rural (CAR) desenvolvido pelo Ipaam em todo o Estado
acritica.com ---

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) realizaram na quinta-feira, 15 de outubro, reunião com uma delegação do KfW Bankengruppe. O objetivo foi tratar do Projeto de Prevenção e Combate ao Desmatamento e Conservação da Floresta no Estado do Amazonas (Profloram), que é fruto da cooperação realizada entre os Governos do Amazonas e da Alemanha para fortalecer a gestão ambiental e territorial em áreas sob intensa pressão pelo uso de recursos naturais.

A área de intervenção do Profloram são as regiões do Estado que se encontram na fronteira do arco do desmatamento e que sofrem elevado grau de desmatamento, totalizando 12 municípios: Boca do Acre, Lábrea, Canutama, Humaitá, Manicoré, Novo Aripuanã, Apuí, Maués, Boa Vista do Ramos, Barreirinha, Parintins e Nhamundá. O projeto foi iniciado em 2012. As doze cidades respondem, atualmente, por mais de 40% da área desmatada no Amazonas, ao passo que contribuem com apenas 4% do PIB do Estado.

O encontro também teve como foco o Cadastro Ambiental Rural (CAR) desenvolvido pelo Ipaam em todo o Estado. Até a primeira semana de outubro, o número de inscritos no CAR já havia ultrapassado 9.300 no Amazonas.

O Mutirão mais recente foi na cidade de Autazes, localizada a 110 quilômetros de Manaus. Ao todo mais de 850 produtores rurais foram atendidos. Desses, 337 representam os cadastros efetivados e 279 de agendamentos encaminhados para atendimento na unidade local.

 “O Ipaam desenvolve o CAR com o apoio de inúmeros parceiros. Nós fazemos diferente de outros lugares no País, que chamam o produtor para o cadastro no órgão ambiental. Com a realidade do Amazonas, nós vamos até essa população que muitas vezes não consegue se deslocar até a capital. E tem dado muito certo”, finalizou a diretora-presidente do Ipaam, Ana Eunice Aleixo. 

 *Com informações da assessoria de comunicação. 


Publicidade
Publicidade