Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Amazônia

Jacaré-açú é encontrado no porto do São Raimundo, em Manaus

O animal foi avistado ainda na água por trabalhadores da área, que correram até a orla e mexeram com o bicho. Com ferimentos, ele subiu para a terra e foi imobilizado até a chegada de agentes ambientais



1.gif Jacaré é capturado na praia do porto do São Raimundo
30/10/2014 às 15:24

CONFIRA GALERIA DE IMAGENS

Um jacaré-açu com três metros de comprimento, e com ferimentos pelo corpo, foi encontrado na manhã desta quinta-feira (30) na orla de Manaus, na praia do porto do bairro São Raimundo, na Zona Oeste da cidade. Populares que estavam no local avistaram o animal de longe, conseguiram imobilizá-lo e acionaram agentes ambientais.

Conforme o trabalhador do porto Adalberto, de 50 anos, o bicho foi avistado por volta das 7h30, ainda quando estava dentro d’água. Um grupo de pessoas, incluindo ele, correu até a orla da praia para resgatá-lo. “Pegamos quando ele estava de ‘bubuia’ no rio. Mexemos com ele e depois ele subiu para terra. Aí a gente o amarrou, eu e mais três”, contou.

Policiais militares da 5ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foram os primeiros a chegar ao local, seguidos de agentes do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam). “O jacaré já se encontrava na praia. Populares se assustaram e tentaram imobilizar e só depois acionaram a gente”, contou o PM Cássio Francisco, da 5ª Cicom.

O animal estava com ferimento no olho direito e um arpão cravado na para traseira esquerda e, por isso, estava com dificuldades de locomoção. Pessoas afirmaram que ele já havia sido visto no porto há alguns dias. Os agentes do Ipaam tiveram dificuldade de colocar o animal no veículo, devido ao tamanho e ao peso dele, e à agitação causada pelo estresse.

Conforme a assessoria de imprensa do Ipaam, o bicho foi levado para a Clínica-Escola do curso de Medicina Veterinária da UniNilton Lins, no Parque das Laranjeiras, Zona Centro-Sul, onde passará por cirurgia para a remoção do arpão - possivelmente, o animal foi vítima da caça ilegal de sua espécie. No final da tarde, ele deverá ser solto em local ainda indefinido, com ajuda dos profissionais do Batalhão Ambiental da PM.

Conforme a gerente de fauna do Ipaam, Sonia Canto, especialista em manejo e conservação de fauna silvestre, o jacaré-açu tem rápida capacidade de recuperação e poderá ser devolvido à natureza. O bicho, da espécie melanosuchus níger, é o maior jacaré da região amazônica, porém não é tão agressivo como as pessoas pensam. 

“Eu já tive a oportunidade de constatar várias vezes jacarés com objetos cravados no corpo e a área da lesão (ser) regenerada sem que fosse removido o objeto. É uma espécie que tem facilidade em recuperar-se e este, resgatado hoje, vai ficar muito bem”, comentou.

Sonia explica que não é possível precisar o motivo que levou o jacaré à praia, mas lembra que os jacarés-açús têm ampla distribuição na cidade de Manaus e estão em seu habitat natural, próximo à água, e que a população precisa entender que eles são livres e se deslocam, podendo ocasionalmente surgir no meio urbano e em locais populosos.

Estatística

A gerência de fauna do Ipaam contabiliza 46 resgates de jacarés no período de julho de 2013 (primeiro ano de funcionamento da gerência) até maio desde ano, dos quais 15 deles ocorreram neste ano. Desses 15, cinco eram jacarés-açus. O serviço de resgate de animais do Ipaam pode ser acionado pelo fone 2123-6774.

“Agradecemos a atitude em buscar ajuda no local certo, que é a gerência de fauna do Ipaam. Também agradecemos o apoio da Nilton Lins e do Batalhão Ambiental no processo de reabilitação e devolução à natureza, para que a vida sempre saia vitoriosa”, disse o presidente do Ipaam, Antonio Ademir Stroski.

*Com informações da repórter fotográfica Erica Melo e da assessoria de imprensa do Ipaam

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.