Publicidade
Amazônia
Amazônia

Jornada proporciona interação de conhecimento entre comunidades ribeirinhas e visitantes

O objetivo do projeto é proporcionar uma experiência de aprendizagem sobre sustentabilidade, educando líderes para mudança 21/12/2015 às 13:54
Show 1
Escola de Verão da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) abre inscrição para período de 21 dias em comunidades isoladas do Amazonas
acritica.com ---

A Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e a rede SDSN-Amazônia abrem as inscrições para a segunda edição da Escola de Verão da Amazônia (Amazon Summer School).

O objetivo do projeto é proporcionar uma experiência de aprendizagem sobre sustentabilidade, educando líderes para mudança. Utilizando ferramentas de inovação social, como design thinking e Teoria U, os participantes vão ter a chance de aplicar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para solucionar desafios reais. As inscrições vão até o dia 1º de março de 2016 e podem ser feitas pelo site www.amazonsummerschool.com. A viagem acontecerá entre os dias 12 de julho e 1º de agosto de 2016. Todos os inscritos passarão por entrevistas com os coordenadores do projeto. 

Os interessados devem ter mais de 18 anos e podem ser de qualquer área de atuação. O projeto busca uma turma multidisciplinar interessada em aprender e contribuir com as comunidades. A maior parte da viagem acontecerá na comunidade Tumbira, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro. Durante duas semanas, profissionais de sustentabilidade, líderes de diferentes setores e a comunidade local irão compartilhar histórias, aprendizados, práticas e conceitos para enriquecer o conhecimento do participante e sua compreensão sobre seu papel no desafio da sustentabilidade. O projeto conta com o apoio de facilitadores treinados em liderança participativa, que irão inspirar os participantes à ação por um projeto voluntário, de acordo sua expertise, que consiste em deixar um legado para a comunidade.

“Neste projeto queremos pessoas engajadas e interessadas em apoiar o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Além disso, os participantes terão a oportunidade de se conectar com a natureza, com as pessoas que vivem nela e se inspirar com o que a floresta pode oferecer. É uma grande troca”, afirma Virgílio Viana, superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável (FAS).

O projeto visa promover a sustentabilidade na prática por meio da aplicação de conceitos, como os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), e assim buscar soluções a desafios da atualidade. Outros temas abordados são: uso da terra, história, geografia e biodiversidade da Amazônia, mudanças climáticas, entre outros. Entre outras atividades, estão estudos de caso e desenvolvimento de projetos práticos, além de atividades de lazer, como nado com golfinhos, caminhadas em trilhas e observação de aves.

“Criamos este projeto por acreditar que o nosso conhecimento acumulado sobre desenvolvimento sustentável na Amazônia pode ser compartilhado e replicado em outras partes do mundo. Além disso, é da natureza dos ribeirinhos aplicar a sustentabilidade. Com a união desses aspectos, acreditamos ser possível mostrar como os ODS podem funcionar na prática”, vislumbra Raquel Luna, coordenadora da Escola de Verão.

Como funciona

O programa é dividido em quatro módulos: ‘Amor à natureza’, em que participantes irão visitar organizações e centros de pesquisa da Amazônia; ‘Cuidado com as pessoas’, que visa à troca direta com as comunidades locais; ‘Saber-Como’, aulas com profissionais e líderes de diferentes setores; e ‘Coragem’, quando os participantes serão convidados a colocar o aprendizado em prática. O curso ainda contará com desafios reais que terão como objetivo colocar os participantes ainda mais próximos da realidade vivida na Amazônia. O projeto ainda contará com o módulo ‘Conheça a si mesmo’, quando haverá o estímulo ao auto-conhecimento e à identificação do papel de cada um na sociedade.

Entre os especialistas já confirmados estão Thomas Lovejoy, membro sênior da Fundação das Nações Unidas e professor universitário no departamento de Ciências Ambientais e Política da Universidade George Mason; e Raquel Rosenberg, co-fundadora da Engajamundo, organização focada no empoderamento de jovens brasileiros para entender e influenciar no processo político internacional.

Entre os professores das comunidade locais ribeirinhos estará Roberto Mendonça, líder da comunidade Tumbira, localizada na Reserva do Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro. Ele, que também esteve presente na primeira edição, contará sua história com passado relacionado à extração de madeira que, a medida de se eu envolvimento com o trabalho de educação e sensibilização da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), atua com uma lógica de negócio sustentável. 

“Participar deste projeto é fundamental para a auto-estima da comunidade. Além de poder viajar sem sair de casa, nos sentimos valorizados e percebemos o quanto de conhecimento temos para passar ao mundo. Neste projeto somos alunos e professores”, afirma Roberto ao falar dos benefícios gerados pelo projeto para a comunidade. O curso ainda conta com a experiência de Valdemir Kambeba, cacique dos Kambeba, etnia moradora da comunidade Três Unidos. 

Outros benefícios alcançados vêm pelo contato direto entre participantes e comunitários. Um dos exemplos é a jovem de 18 anos, Odenilze Souza Ramos, da comunidade Carão. Na primeira edição, ela aprendeu a fotografar com um dos participantes. Depois disso, tomou gosto pela fotografia de natureza e hoje, além de fotógrafa de sua comunidade, é Repórter da Floresta, projeto da FAS que incentiva jovens a compartilhar seu dia-a-dia e histórias da comunidade por meio de um programa de rádio. 

Primeira edição

Em 2014, a iniciativa reuniu 13 pessoas de oito países em uma experiência de 15 dias. Após participar do projeto, os participantes estão capacitados para lidar com conceitos globais de sustentabilidade desde seu histórico até os desafios atuais. Além disso, passam a ter um conhecimento peculiar sobre a realidade amazônica e desenvolvem competências para compará-la a outros cenários onde poderá planejar ações de liderança em sustentabilidade.

Como explica o indiano, Harsh Vardhan Bhati, o projeto não é uma viagem de férias e o conhecimento que obteve só seria alcançado com esta vivência. “Eu sempre me interessei pelas temáticas ambientais. Mas, nesta experiência percebi como a Índia e o Brasil são parecidos, principalmente no desafio de tornar eficazes suas leis ambientais. Agora, uso minhas habilidades de pesquisa para alcançar as melhores respostas no meu país e se engajar na proteção ambiental. Tanto que decidi cursas um Mestrado em Direito sobre Gestão Ambiental e Recursos Naturais na escola de direito Lewis & Clark”, comemora Harsh. 

Já para o brasileiro, José Botelho, de Belo Horizonte, o programa proporcionou uma bagagem de conhecimento para que possa trabalhar pela sustentabilidade a sua maneira. “Tenho a convicção de que o mundo precisa de líderes capazes de atuar em realidades de várias polarizações. Sinto-me feliz por chegar a tal certeza tão precocemente”, declara o jovem de 20 anos.

Mais informações sobre o curso e inscrições também podem ser obtidas pelo email summer.school@fas-amazonas.org, pelo Skype amazon.summer.school ou no telefone (11) 4506-2900.

*Com informações da assessoria de comunicação

Publicidade
Publicidade