Publicidade
Amazônia
Amazônia

Meio ambiente: Fumaça volta a cobrir o céu de municípios do AM

Problema causado por incêndios florestais e queimadas pontuais atingiu Manaus, desde o último domingo, e Parintins há quase dois meses 28/12/2015 às 20:01
Show 1
Desde o último domingo (27) que o Centro de Manaus amanhece coberto por fumaça oriunda de queimadas florestais
acritica.com Manaus (AM)

Apesar de o Amazonas ter registrado 529 focos de incêndio, nesse mês de dezembro, e Manaus, apenas três, no mesmo período, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a nuvem de fumaça cinzenta voltou a encobrir o céu da capital. O fato foi registrado na noite do último domingo, no Centro da cidade, de acordo com moradores daquela região.

A secretaria  Noêmia Araújo de Castro, 44, relatou que, volta de 19h30 de domingo, quando saiu da missa na paróquia Sagrado Coração de Jesus, situada na rua Ferreira Pena, o “fumacê” estava forte. “Quando saímos da igreja todo mundo percebeu. Não estava como das outras vezes, mas dava para vê a nuvem de fumaça que pairava sobre o Centro”, disse.

Conforme Noêmia, a nuvem de fumaça também era vista sobre o início das avenidas Constantino Nery, Boulevard Álvaro Maia e Ayrão, ambos nas proximidades da paróquia Sagrado Coração de Jesus. Assim como ela, moradores de áreas próximas ao Teatro Amazonas, no largo São Sebastião, também relataram o ocorrido. Conforme eles, o fumaceiro seguiu até a madrugada de ontem.

O problema, originário de incêndios florestais e que persistiu entre os meses de outubro e novembro, já havia sido registrado no início desse mês sobre a capital. A Defesa Civil do Amazonas informou que, com base no relatório do Inpe, a fumaça que paira sobre o Estado é oriunda de outras regiões como o Pará, onde foram registrados mais de cinco mil focos de incêndios nesse mês de dezembro.

Os efeitos das queimadas no Estado vizinho chegam mais forte em Parintins, a 369 quilômetros de Manaus. De acordo com moradores da ilha, há quase dois meses a cidade está encoberta por uma nuvem de fumaça, que se inicia normalmente por volta de meia noite e se dissipa pela manhã. “A fumaceira dá uma pausa de dois a três dias e depois volta a invadir toda a cidade”, afirmou o assessor parlamentar Gerlean Brasil, 24.

Conforme ele, além dos focos de incêndios no Pará, há ainda as queimadas rurais próximas do perímetro de Parintins, como nos rios Mamuru e Uaicurapá e no assentamento Vila Amazônia.

População temerosa 

O assessor parlamentar Gerlean Brasil, que mora em Parintins, afirmou que a preocupação da população da ilha é com a saúde, tendo em vista que, eles estão sendo intoxicados diariamente.   “Hoje nós podemos não sentir os efeitos, mas, mais tarde isso pode acarretar  várias conseqüências”, avaliou.


Publicidade
Publicidade