Sábado, 24 de Julho de 2021
Saber tradicional

Movimento busca incentivar agricultura familiar e produção artesanal no interior do AM

O ‘Arte&EscolaNaFloresta’ fomenta técnicas de como trabalhar com a terra e a floresta de forma sustentável a camponeses e camponesas do Careiro Castanho



eef2a998-6fec-4064-943b-296da11f96f2_91E3B4C7-BFC3-463A-AB95-A4BC4F28CA84.jpg Foto: Divulgação
23/05/2021 às 09:10

A floresta amazônica é uma das maiores produtoras de insumos para a vida humana. A floresta produz oxigênio, alimentos, bebidas, remédios, madeira e renda com o extrativismo. E com o objetivo de promover estas atividades, o movimento Arte&EscolaNaFloresta fomenta técnicas de como trabalhar com a terra de forma sustentável. 

Segundo uma das idealizadoras do projeto, Nora Hauswirth, um dos nortes para a concepção do Arte&EscolaNaFloresta é a promoção à saúde.



“O Brasil vem enfrentando um aumento expressivo de sobrepeso e obesidade em toda sociedade, incluindo doenças crônicas que - de acordo com o Guia Alimentar publicado no Ministério da Saúde em 2014 - são a principal causa de morte entre adultos”, alertou a pesquisadora.

Nora ressalta ainda que uma alimentação saudável compreende a utilização de alimentos variados e seguros, além de valorizar a produção regional e tradições que resgatam hábitos e culturas alimentares.

“Pretendemos auxiliar quem tem terra e pode produzir, mudar a visão pouco favorável de ser agricultor, especialmente para os jovens filhos de agricultores. Com o mesmo grupo de pessoas que atendemos com as oficinas agora, já fizemos atividades com entrega de sementes e queremos continuar com outros projetos para incluir hortaliças”, acrescentou Hauswirth.

Saber tradicional

A artesã indígena, Ivanilda Batista, da etnia Mura, residente do município Careiro Castanho é uma das poucas guardiãs do conhecimento de artesanato com fibras naturais. Durante as oficinas do projeto, Batista orientou os participantes a criar a própria peneira de arumã - uma planta que é bastante utilizada em vassouras de cipó titica, muito comum no artesanato.

“O trabalho do artesanato é muito importante para as pessoas do interior porque faz parte da cultura. Esta cultura está se perdendo ao longo dos anos”, explica a artesã.

Performance

Além do fomento ao artesanato, o projeto também incentivou a cultura dos povos com performances artísticas na comunidade. O ator e artesão Chico Caboco realizou uma apresentação teatral que teve como intuito valorizar os profissionais da agricultura e artesanato.

“Da terra ao corpo, do corpo à terra. A terra só dá se a gente plantar. Se a gente não plantar, a terra não vai dar. Bora comer o que a terra tem a nos oferecer”, recitou o ator em sua performance.

Estas hortaliças que a terra amazônica oferece ainda são desconhecidas por muitos, segundo o técnico em agroecologia florestal e também participante do projeto, Emerson Vagalume.

“Ainda poucas pessoas conhecem as batatas originárias, como Ariá e Taioba, que foram incluídos no cardápio das oficinas culinárias, junto com outras hortaliças não-convencionais, como coração e casca da banana, espinafre-da-Amazônia, erva-de-jabuti, urtiga, bertalha, jaca verde e mamão verde. Essas hortaliças se encontram nos quintais, porém as pessoas não usam por falta de conhecimento” relata o técnico em agroecologia florestal.

O projeto intitulado “Troca de conhecimento entre camponeses e camponesas” foi realizado com várias oficinas entre 15 de abril e 11 de maio deste ano. Na realização participaram as artesãs Rosa, Neide, Ivanilde e Nilcilede, da etnia Mura e os agricultores orgânicos do Ramal 14, do Ramal 32 da Estrada de Autazes e os membros da Associação Renascer em Purupuru do município Careiro Castanho. O projeto foi contemplado pelo Programa Cultura Criativa - 2020, na Lei Aldir Blanc - “Prêmio Encontro das Artes”. 

Para conhecer mais sobre a culinária amazônica e sobre o desenvolvimento do projeto, o movimento publicou um vídeo no YouTube explicando todos os detalhes da concepção.

 

O Arte&EscolaNaFloresta também está no instagram:

 

News b9c859f0 b845 415e 97aa d9fe4eb65dc1 96581f6b 36a1 4a7c a5d9 8f8c56b0b256
Repórter de A Crítica
Amazonense, nascido e criado em Manaus. Graduado em Jornalismo e mestrando em Antropologia Social, ambos pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.