Publicidade
Amazônia
Amazônia

No AM, Balbina recebe a primeira usina solar flutuante em reservatório de hidrelétrica

A primeira fase consiste na instalação de 16 placas fotovoltaicas para a geração de 4,1 megawatts (MW) de energia. Para o projeto final, estão previstas 21 placas e geração de energia de 5 MW, suficiente para abastecer 9 mil residências na região 04/03/2016 às 15:18
Show 1
O escopo do projeto incluí o fornecimento pela Sunlution de flutuadores com placas fotovoltaicas para o reservatório de Balbina e estudos da otimização da operação de duas fontes de energia usando a mesma infraestrutura.
Saadya Jezini Balbina (AM)

Foi lançado na manhã desta sexta-feira (4) o projeto piloto de geração de energia através de placas fotovoltaicas flutuantes no reservatório da usina hidrelétrica de Balbina, localizada próximo ao município de Presidente Figueiredo. "Essa é a primeira usina solar flutuante do mundo em um reservatório de hidrelétrica", destaca o ministro de Minas e Energia (MME) Eduardo Braga (PMDB-AM), que esteve no Estado para a inauguração do empreendimento.

A primeira fase consiste na instalação de 16 placas fotovoltaicas para a geração de 4,1 megawatts (MW) de energia. Para o projeto final, estão previstas 21 placas e geração de energia de 5 MW, suficiente para abastecer 9 mil residências na região.


Ministro Eduardo Braga esteve na inauguração da usina flutuante (FOTO: Euzivaldo Queiroz)

"Não sabemos ainda qual será a redução para os consumidores, mesmo porquê o valor da conta de energia depende de uma série de outros fatores que não somente o tipo de geração", justifica o Ministro.

Funcionamento

O empreendimento será construído pela empresa brasileira Sunlution, especializada em geração solar e híbrida, com atuação em usinas solares de médio e grande porte. A empresa, por sua vez, fechou parceria com a fabricante de equipamentos WEG para as obras no reservatório da Eletronorte de Balbina, no Amazonas.   

"Existem flutuadores principais, que são os maiores, e uma placa com inclinação de 12 graus para melhor receber a incidência do sol. Para a manutenção, existe outro flutuador, que permite o deslocamento dos funcionários", destaca Orestes Gonçalves, diretor-presidente da Sunlution.


O investimento foi de R$ 112 milhões e o MME pretende gerar, aproximadamente, 50 empregos na região. As placas são produzidas atualmente na Bahia, em Sobradinho, mas "futuramente, o nosso compromisso é produzir aqui no Estado também", enfatiza Gonçalves. Há planos, inclusive, de instalar o mesmo projeto na hidrelétrica de Sobradinho também.

A iniciativa faz parte do programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Eletronorte para captação de projetos de geração complementar de energia solar de 5 MW. O escopo do projeto incluí o fornecimento pela Sunlution de flutuadores com placas fotovoltaicas para o reservatório de Balbina e estudos da otimização da operação de duas fontes de energia (hidroelétrica e solar) utilizando a mesma infraestrutura.

Publicidade
Publicidade