Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019
Amazônia

Países amazônicos virão a Manaus em 2017 para encontro global, que terá a água como tema

À frente da FAS, Virgílio Viana encaminhará à ONU o interesse do Amazonas em realizar o encontro de cunho regional e global em Manaus. Ato é resultado de reunião promovida pela Rede da ONU de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (SDSN), realizada como evento paralelo dentro da COP 21



1.jpg O cenário amazônico de Manaus - ainda rico em água e floresta "para servir ao mundo" - será palco do encontro global sobre o tema
09/12/2015 às 09:46

O governador do Amazonas, José Melo (Pros), vai realizar um encontro global em Manaus com a participação das principais autoridades políticas, científicas, ambientais e econômicas da Amazônia Continental, envolvendo os oito países (Brasil, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Peru, Guiana, Suriname) em 2017.

Essa foi a sua decisão estratégica, à luz das diretrizes da nova lei de serviços ambientais do Amazonas, e uma resposta concreta na reunião promovida pela Rede da ONU de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (SDSN) realizada, ontem, na Universidade de Columbia (Campus de Paris), no âmbito da COP 21, como evento paralelo coordenado pelo superintendente da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana.



Melo alinhou-se com as diretrizes da ONU na valorização da água, como um dos mais importantes ativos ambientais do mundo, onde o Amazonas e a Amazônia Continental são soberanos, já que a região detém 20% da água doce do planeta. “Vamos trabalhar para trazer recursos ao povo amazonense e da região, com o que temos de melhor ambientalmente, e a água é central neste debate  planetário”, destacou Melo.

O deputado Luiz Castro (Rede Sustentabilidade) apoiou integralmente a iniciativa de Melo e se dispôs a trabalhar na direção de abrir caminhos políticos e sociais para alavancar a temática ambiental relacionada à água”. 

Água será  tema da agenda regional

O superintendente da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana, coordenou a reunião, na Universidade de Columbia (Campus de Paris), no âmbito da COP 21, que contou com representantes dos países que constituem a Amazônia continental, na condição de presidente da SDSN para a Amazônia, vai encaminhar para o secretário geral da ONU, Ban Kim Moon, o interesse do Amazonas em realizar o encontro de cunho regional e global estratégico para o desenvolvimento da região.

“A ideia de valorização da água como ativo ambiental é extraordinária, porque a Amazônia é responsável pelas chuvas em praticamente toda a América do Sul, que vive sob o efeito direto das mudanças climáticas. Surgiu aqui no debate e tem muita força”, salientou Viana.

“Estamos de acordo para avançar na busca de recursos para o Amazonas  e a região panamazônica”, comentou o deputado estadual Luiz Castro (Rede) representante oficial da Assembleia Legislativa do Amazonas na COP 21.

O ex-ministro do Meio Ambiente da Colômbia Manuel Rodrígues Becerra uma das mais importantes autoridades no tema água, disse que apoia a iniciativa de Melo, sob a égide da SDSN, por entender que é a “melhor forma de mostrar às comunidades locais, nacionais e internacionais o papel da região, como força ambiental que precisa ser reconhecida e valorizada imediatamente. As pessoas precisam saber que o mundo já enfrenta uma crise hídrica”, comentou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.