Quarta-feira, 28 de Outubro de 2020
Amazônia

Pescadores do AM serão recadastrados para receber o seguro-defeso

No Amazonas, em meio aos que de fato fazem jus ao benefício, nem todos seriam efetivamente pescadores artesanais



1.jpg O seguro-defeso garante ao pescador artesanal uma renda pelo período de quatro meses que fica sem poder pescar
24/10/2012 às 09:45

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas (SRTE-AM) recadastrará até 15 de março de 2013 pescadores que têm direito ao seguro-defeso. Até o ano passado pouco mais de 67 mil pessoas estavam cadastradas e o número deve saltar para 90 mil. Detalhe: pode ser que nem todos sejam de fato pescadores e o superintendente do Trabalho no AM, Dermilson Chagas, sabe do fato e afirmou que não cabe à SRTE fiscalizar a situação.

O seguro defeso é um auxílio financeiro ao pescador artesanal, destinado à composição da renda familiar na época mais difícil para a atividade pesqueira, quando é proibida a pesca de determinadas espécies. Em regra, independente da espécie, o período compreende de novembro a março.



Dermilson explica que chega até a SRTE-AM denúncias de que pessoas, mesmo não sendo pescadores, têm o Registro Geral de Pescadores (RGP) e recebem o benefício do seguro-desemprego. “Quando o cidadão apresenta os documentos que compravam que é pescador não temos como contestar, nem temos o poder fiscalizador que cabe ao Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) e Polícia Federal (PF)”, disse.

De acordo com a SRTE-AM e da Superintendência da Pesca no Amazonas, que se reporta ao Ministério da Pesca, a estimativa é que dos 92 mil pescadores tenham o RGP, entretanto, somente 30% seriam pescadores.

Complicado

Para o responsável pelo RGP na Superintendência da Pesca no Amazonas, Wilson Barros, a situação é complicada e o Governo Federal precisa criar um arranjo diferente que identifique e beneficie apenas pescadores. “Recentemente, estivemos em São Gabriel da Cachoeira. Uma região onde não há área para pesca, a não ser para subsistência. Reunimos os pescadores e seus representantes e fizemos palestra. O resultado é que dos 2 mil pescadores cadastrados, apenas 700 renovaram a carteira de RGP”, disse.

A informação que chega até as duas superintendência é de que presidentes de colônias convencem trabalhadores a fazerem o RGP e ganhar um dinheiro a mais com o seguro-defeso, sendo que o primeiro pagamento fica com a colônia.

O superintendente da SRTE-AM disse ainda que o Ministério da Pesca, em Brasília, não questiona o crescimento de pescadores no Estado ano após ano. “Eles somente repassam o recurso que este ano será de R$ 163 milhões”.

Para recadastrar os pescadores que receberão o benefício, a SRTE e a Secretaria de Estado do Trabalho (Setrab) visitarão os municípios do interior. Depois de completado um mês do recadastramento o pescador começa a receber o seguro-defeso. O benefício é pago em quatro parcelas mensais no valor de um salário mínimo, R$ 622,00.

O MPF e a PF informaram que têm inquéritos em andamento sobre essa situação. O superintendente da PF, Sérgio Fontes, solicitou um levantamento sobre estas denuncias no Estado.


(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.