Publicidade
Amazônia
Amazônia

Polícia prende rapazes que estupraram menina indígena no interior do Amazonas

A menina S.C.P teria sido atraída pelos rapazes, que lhe deram bebida alcoólica e  provavelmente drogas para, em seguida, cometer o estupro 24/01/2013 às 19:49
Show 1
Borba – AM
acritica.com ---

Uma menina indígena da etnia munduruku de 14 anos foi estuprada no último dia 22 por dois rapazes não-indígenas no município de Borba (a 150 quilômetros de Manaus). Os suspeitos foram presos nesta quarta-feira (23). Eles foram identificados como Jemerson, de 20 anos, e Jair, de 22. A menina foi atacada na comunidade onde mora, Foz de Canumã.

A informação foi dada pelo jornalista J. Rosha, assessor de comunicação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).Conforme J. Rosha, a agressão aconteceu por volta de 20h da última terça-feira. A menina S.C.P teria sido atraída pelos rapazes, que lhe deram bebida alcoólica e  provavelmente drogas para, em seguida, cometer o estupro.

Um morador do município que pediu para não ter seu nome publicado disse que a moça foi encontrada embriagada, com marcas de violência sexual e se queixando de muitas dores.

Nesta quarta-feira, os dois suspeitos foram apresentados na delegacia de polícia onde foi lavrado o flagrante.

A vítima e o pai estão na sede de Borba, onde ela está recebendo tratamento médico. S.C.P foi submetida a um exame de conjunção carnal no hospital. Já a locomoção dos acusados e da vítima da comunidade para a cidade só foi possível com apoio dos comunitários que forneceram a embarcação.

A psicóloga Mônica Carvalho, do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Borba e do Conselho Tutelar, disse que a menina indígena se queixa de dores, tem dificuldade para andar e está muito abalada. Ela vai continuar em tratamento na cidade.

Rosha disse que a violência sexual sofrida pela indígena munduruku revoltou os profissionais que lhe prestaram atendimento. Eles temem que os acusados sejam liberados nos próximos dias e o crime acabe ficando na impunidade.

“Crime semelhante aconteceu ano passado naquela mesma comunidade. Os agressores ficaram livres e estão lá zombando da Polícia”, comenta um morador da localidade.

A Comunidade Foz do Canumã fica localizada no rio Canumã, nas proximidades da terra indígena Kwatá/Laranjal, onde vivem indígenas Mundurucu e Sateré Mawé. 

Publicidade
Publicidade