Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
hidrologia

Cheia de 2016 da bacia do rio Negro deve ser fraca e 'benéfica' para os ribeirinhos

Serviço Geológico do Brasil (CPRM) divulgou o último Alerta de Cheia deste ano indicando que enchente vai ser uma das menores já registradas na série histórica. Para agricultores ribeirinhos haverá um lado bom



chuva.PNG Fenômeno mais ameno deste ano será bom para os agricultores ribeirinhos (Foto: Jonas Santos - Arquivo A CRÍTICA)
31/05/2016 às 21:36

A cheia de 2016 no rio Negro será uma das menores da série histórica desde 1902, devendo chegar, no máximo, a  27,57 metros, de acordo com o boletim do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), divulgado nesta terça-feira (31). Todavia, ela trará muitos benefícios para os ecossistemas e a economia do interior do Amazonas. Quem afirma é o superintendente regional do CPRM, em Manaus, Marco Antônio de Oliveira.

Conforme ele, quando as enchentes grandes são recorrentes prejudicam os ecossistemas da várzea e, consequetemente, a vida dos ribeirinhos. “São espécies que morrem e outras que não conseguem se reproduzir. O agricultor que planta na várzea agora vai poder plantar tendo um tempo maior para colher seu fruto, ou seja, em janeiro e fevereiro”, enfatizou. 

De acordo com o boletim do CPRM, a bacia do Negro segue em processo regular de enchente, assim como a bacia do Amazonas. Mas ambos estão com níveis baixos para a época. “Pelo que nós temos observado no rio Negro em Manaus e na própria bacia amazônica parece que o rio não vai subir muito mais. Isso mostra que teremos uma enchente pequena”, revelou a pesquisadora do CPRM, Luna Gripp Simões.

Ao contrário destas, as bacias do Purus, do Solimões e do Madeira estão em pleno processo de vazante. Em Tabatinga, a cota vem baixando lentamente desde 28 de abril e já apresenta reflexos na estação de Fonte Boa. Para o chefe do Serviço de Hidrologia no Porto de Manaus, Valderino Pereira da Silva, essa seca vai refletir no rio Negro em Manaus, em breve. “O que acontece em Tabatinga não demora muito impacta em Manaus”, afirmou. 

Atenção

O secretário da Defesa Civil Estadual, Fernando Pires Júnior, disse que o órgão está acompanhando o comportamento dos rios durante o período de transição da cheia para a vazante. “Estamos trabalhando no plano de contingência, principalmente para atender a parte Sul do Estado, onde os rios não atingiram os níveis de normalidade. Também estamos acompanhando a meteorologia para não sermos pegos de surpresa num eventual evento extremo de estiagem e seca ao mesmo tempo”, apontou. 

O secretário executivo de Proteção e Defesa Civil de Manaus, Cláudio Belém, também está preocupado com esse período de transição. “É uma época de chuvas fortes em curtos períodos de tempo e com rajadas de vento e nos deixa em alerta porque pode provocar situações de risco como desabamentos de palafitas em ocupações irregulares. Estamos com um plano de contingência em andamento e monitorando a cidade justamente para tentar antecipar essas situações em que pode ocorrer um desastre”, frisou.

Chuvas mais fortes no Norte

Durante o mês de maio, a precipitação de chuvas na região Amazônica mostrou valores máximos  (acima de 200 mm/mês) concentrados na faixa Norte, incluindo a porção Central e Norte do Amazonas.

Conforme o Center for Ocean Land Atmosphere Studies (Cola), o prognóstico de precipitação para o período de 25 de maio a 2 de junho de 2016, mostra a atuação da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), podendo gerar aumento da nebulosidade e das chuvas em algumas regiões da faixa Norte da Amazônia Legal. Assim, essas chuvas deverão se concentrar no Estado de Roraima, Norte do Amazonas e Pará.

O prognóstico de precipitação para o período de 2 a 10 de junho indica condições semelhantes ao prognóstico do período anterior, com acumulados significativos sobre Roraima, porções Norte, Noroeste e Oeste do Amazonas e em países vizinhos como Colômbia e Venezuela.

Blog: Ricardo Dallarosa - chefe da Divisão de Meteorologia do Sipam

A expectativa em relação à chuva é de normalidade. Agora precisamos observar que a nossa região, em particular a parte Sul do Estado, está entrando na estação seca, onde as chuvas são bastante reduzidas. Isso preocupa um pouco, pois os rios estão com níveis baixos. Mas saímos de um fenômeno climático extremo e severo, que foi o El Niño, que influenciou a região como um todo, e há a tendência de ocorrência do La Ninã. Isso pode adiantar a estação chuvosa, que seria bom, mas a gente não pode falar com segurança se vai ocorrer.

Números

27m27 será o nível médio da enchente do rio Negro  prevista pelo CPRM. Este valor está entre o  máximo previsto, que é 27m57, e o mínimo de 26m97. De qualquer forma, a cheia será considerada fraca.

29m97 foi o nível máximo alcançado por uma cheia do rio Negro desde que foi iniciada a série história em 1902. A enchente recorde aconteceu em 2012, dois anos após a seca máxima que foi 13m63.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.