Publicidade
Amazônia
Amazônia

Reintegração de posse na AM-070 é adiada pela Polícia Militar

O prazo para a desapropriação do terreno na rodovia Manoel Urbano encerrava nesta segunda (2) 02/09/2013 às 17:11
Show 1
Etnias Sateré-Mauwé, Mundurucu, Mura, Miranha e Apurinã ocupam terreno na AM-010
VINICIUS LEAL Manaus (AM)

Foi suspensa na tarde desta segunda-feira (2) a reintegração de posse do terreno invadido por índios e não índios, no Km 5 da rodovia Manoel Urbano AM-070 (Manaus-Iranduba). O prazo para a desocupação do local terminaria nesta segunda, mas foi adiado pelo comando geral da Polícia Militar.

“Estamos esperando o comando decidir uma nova data. Será realizada uma reunião, sem dia definido, onde serão discutidos, tanto o prazo para desapropriação como as estratégias de ação da PM”, informou o major Marcos Santiago, comandante da 8ª Companhia Independe da PM.

De acordo com ele, no momento, não há nenhuma equipe da Polícia Militar no terreno invadido. “Alguns deles já saíram de lá, mas não sabemos um número específico de pessoas que continuam ocupando aquela área”, declarou Santiago.

Prazo

Na tarde da última sexta (30), uma liminar de reintegração de posse foi concedida pela Justiça. No documento era estipulado um prazo de 72 horas para a saída dos invasores em favor dos proprietários.

A área 50 mil metros quadrados pertence à igreja Assembleia de Deus do Amazonas e à União. O prefeito de Iranduba, Xinaik Medeiros, reafirmou a vontade da gestão municipal na desapropriação do terreno.

Índígenas

Índios das etnias Sateré-Mauwé, Mundurucu, Mura, Miranha e Apurinã, além de não indígenas ocupam o local e se recusam a sair. O cacique Sabá Castilho Kukema afirma que as famílias não sairão do local até que um acordo seja firmado entre os invasores e a Justiça federal.

O cacique disse que representantes da prefeitura de Iranduba estiveram no terreno apenas para expulsar os invasores. “Em nenhum momento eles quiseram negociar ou mostraram propostas para resolver o impasse. Nós vamos permanecer aqui, até que isso seja resolvido da melhor forma possível”, declarou.

#Colaborou com informações a repórter Bruna Souza 

Publicidade
Publicidade