Publicidade
Amazônia
Quelônios Uatumã

Ribeirinhos participam de curso para conservação de tartarugas da Amazônia

 Ao todo, o projeto ‘Quelônios do Uatumã’ envolve dez comunidades e cerca de 100 famílias ribeirinhas 20/08/2013 às 12:14
Show 1
Ribeirinhos participaram de curso para conservação de quelônios no interior do Amazonas
acritica.com * ---

Eles conhecem como ninguém as belezas naturais existentes no município de São Sebastião do Uatumã, distante 247 km de Manaus.  Os ribeirinhos que moram em comunidades existentes no município amazonense viram cooperadores ativos na proteção das tartarugas da Amazônia.

Um curso capacitou na última semana, 16 moradores de sete comunidades de São Sebastião do Uatumã na tarefa de proteger os quelônios e as praias locais. O curso foi realizado pela Eletrobras Amazonas Energia por meio do Centro de Preservação e Pesquisa de Quelônios Aquáticos(CPPQA), em parceria com o Centro Estadual de Unidades de Conservação(Ceuc) e a Prefeitura de São Sebastião do Uatumã.

O curso prepara os ribeirinhos para serem agentes de praia com o intuito de proteger as tartarugas amazônicas, além de funcionar como um momento de avaliação das ações realizadas em anos anteriores. As comunidades envolvidas na ação foram: Maracarana, São Benedito, Jacaréquara, Bela Vista, Caioé Grande, Nossa Senhora do Livramento e Boto.

“ Esse é um estímulo para abrir a temporada de monitoramento das praias, protegendo os ninhos das tartarugas que logo irá visitar as praias para desovar, assim que o nível do rio baixar os primeiros bancos de areia surgirem na calha do rio Uatumã”, explicou o coordenador do projeto “ Quelônios do Uatumã” da Eletrobras Amazonas Energia, Paulo Henrique Oliveira.



Durante a capacitação, existe o envolvimento dos comunitários em todas as fases do projeto, o que, segundo a coordenação, acaba promovendo o fortalecimento de iniciativas comunitárias e a gestão integrada do uso dos recursos naturais.

No curso, os agentes de praia recebem conteúdos que trataram dos temas: histórico e biologia de quelônios aquáticos amazônicos; legislação, uso e comércio ilegal; monitoramento e marcação de quelônios; manejo de quelônios em praias conservadas; manejo de filhotes em berçários, praia artificial ou chocadeira (coleta e transferência de ninhos, marcação dos ninhos, auxílio no nascimento dos filhotes); entre outros.

Soltura de Quelônios

No decorrer do trabalho, os ribeirinhos participam de quatro etapas: a primeira trata do monitoramento dos ninhos e proteção dos sítios reprodutivos pelos agentes de praia. Na segunda, acontece o auxílio ao nascimento dos filhotes e educação ambiental, envolvendo as escolas das comunidades. Na terceira etapa ocorre a orientação da manutenção de um montante de filhotes em berçários para fortalecimento da carapaça. E, por fim, a quarta etapa aborda a soltura dos filhotes envolvendo comunidades, técnicos, prefeituras e instituições ambientais parceiras.

“Todos os anos, realizamos a soltura dos filhotes de quelônios na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã (RDS Uatumã). Já são 15 anos de trabalho contribuindo com a conservação dos quelônios amazônicos. Até agora, foram soltos aproximadamente 145 mil filhotes de quelônios de quatro espécies: tartaruga-da-Amazônia (Podocnemis expansa), tracajá (P. unifilis), iaçá (P. sextuberculata) e irapuca ou capirã (P. erythrocephala)”, disse o coordenador Paulo Henrique Oliveira.

Publicidade
Publicidade