Sábado, 20 de Julho de 2019
Amazônia

Rio Negro segue com descida acelerada e cota fecha em 18,54

Em seis dias a cota, medida no Porto de Manaus, teve uma queda de 2,18 metros, um valor nunca registrado antes 



1.jpg Chefe do Serviço de Hidrologia do Porto, Valderino Pereira diz que nunca viu uma queda acentuada em tão pouco tempo
15/10/2015 às 20:19

Pelo sexto  dia consecutivo, o rio Negro  apresentou um forte queda no nível das águas num fenômeno  jamais visto desde o início dos registros das cotas  em 15 de setembro de 1902. Ontem, o rio desceu mais 37 centímetros e atingiu a cota de 18,54 metros, faltando 4,91 metros para chegar a vazante histórica quando, no dia 24 de outubro de 2010, ele atingiu a cota mínima de 13,63 metros.

O chefe do Serviço Hidrológico do Porto de Manaus, Valderino Pereira, responsável por acompanhar a medicação do volume das águas do rio Negro, disse que é necessário aguardar o comportamento do rio para os próximos dias. “Precisamos verificar se o rio Negro vai continuar a descer dessa forma durante este final de semana para afirmar se realmente vamos ter uma vazante histórica, caso  ultrapasse a de 2010”, comentou.

De acordo com Valderino, a vazante se encerra sempre entre o final do mês de outubro e no início de novembro. “Com a aproximação deste período é que vamos poder realmente afirmar o que essa descida brusca pode impactar”, disse.

A vazante, de acordo com Valderino, não pode se estender para mais da metade do mês de novembro. “Não vou dizer que isso é impossível, mas seria ideal que o rio retornasse para sua cota média de descida,  que  é  de 17 centímetros por dia”, avaliou. Para ele, a situação é preocupante, pois desde que recebeu este trabalho, ainda não tinha presenciado a água descer tão bruscamente como agora.

“Desde que assumi este trabalho, nunca havia presenciado este tipo de fenômeno. Precisamos saber o que realmente aconteceu e não simplesmente aceitar que seja um simples fenômeno da natureza”, completou.

Nesses seis dias, o rio Negro baixou 2,18 metros. A maior descida registrada do rio foi no último domingo quando ele baixou 40 centímetros.

O  meteorologista chefe  do Serviço de Proteção da Amazônia (SIPAM), Ricardo Luiz Dellarosa, acredita que o fenômeno conhecido com El Niño (causado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico), seja o principal responsável por essa descida acentuada. “É possível que o El Niño esteja influenciando na redução das chuvas nas cabeceiras dos rios, e de uma forma acaba  influenciando na cotação do rio, mas pra isso, primeiramente precisamos verificar o que realmente está acontecendo”, reforçou.

Nível desceu 37 centímetros ontem    

O chefe do Serviço Hidrológico do Porto de Manaus, Valderino Pereira, explicou que o fenômeno teve início no último sábado, quando o rio Negro desceu 38 centímetros pela primeira vez na história da medição já cotada. “Na sexta-feira passada o rio havia descido 22, centímetros e um dia depois começou a passar por essa variança”, comentou.

No último domingo , o rio Negro teve a decida recorde quando diminuiu 40 centímetros.  Na segunda-feira, o rio Negro diminuiu mais 36 centímetros, na terça-feira mais 32 centímetros, na quarta-feira mais 35 centímetros e ontem 37 centímetros. Nesses seis dias o rio Negro baixou 2,18 metros.

No dia 15 de outubro de 2010, ano da maior vazante registrada, o rio Negro atingia a cota de 15, 66 metros. Aproximadamente 2,88 metros a menos da cota de ontem, quando o rio atingiu a cota de 18,54 metros.

No mesmo dia em 2010 o rio Negro havia descido 8 centímetros, diferente deste ano, quando o rio desceu 37 centímetros.

Centenário

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) a régua utilizada para a cotação do rio Negro foi instalada pelos ingleses no Porto de Manaus em 15 de setembro de 1902 e continua a ser utilizada diariamente para o serviço.


Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.