Sábado, 22 de Fevereiro de 2020
REGRAS

Sema inicia revisão do Plano de Gestão de áreas protegidas do Mosaico do Apuí

Documento é referência para gestores e comunitários nas decisões relacionadas às atividades de manejo e melhoria da qualidade de vida em Unidades de Conservação



WhatsApp_Image_2020-01-29_at_16.32.33__1__8EAEA2D7-726A-45C6-B1A2-DC51627B370C.jpeg (Fotos: Divulgação)
29/01/2020 às 16:49

Após dez anos da elaboração do Plano de Gestão do Mosaico do Apuí, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) iniciou, neste mês, a revisão das regras para a gestão de áreas protegidas localizadas nos municípios de Apuí (a 453 quilômetros de Manaus) e Novo Aripuanã (a 227 quilômetros da capital). Até sexta-feira (31/01), moradores de comunidades tradicionais participam de reuniões junto à Sema, a fim de atualizar e adequar o Plano de Gestão às novas necessidades dos comunitários nas diversas atividades de manejo realizadas na região.
 
O território definido como “Mosaico do Apuí” foi instituído em 2005, como parte do plano de formação do Corredor Ecológico da Amazônia Meridional. À época, a finalidade da sua implementação era garantir que a área delimitada contribuísse para a conservação da biodiversidade local e a criação de uma barreira contra o desmatamento na região.
 
Ao todo, o Mosaico do Apuí abriga uma extensa área de 2.467.243,619 hectares, composta por nove Unidades de Conservação (UC) estaduais, sendo duas  áreas de proteção integral e sete de uso sustentável – entre Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS), Reserva Extrativista (Resex), Parques e Florestas Estaduais.

O primeiro Plano de Gestão do Mosaico foi elaborado cinco anos após a criação da área, em 2010. Atualmente, o documento está sendo revisado por meio de oficinas de planejamento participativo conduzidas pela Sema. Além de representantes do poder público, os encontros envolvem organizações não governamentais e moradores das comunidades.
 
Segundo a gestora do Mosaico do Apuí, Aldeíza Lago, a atualização do Plano de Gestão é um importante passo para viabilização de normas que atendam às necessidades dos comunitários em sua totalidade. “Essa reformulação do plano é construída de maneira democrática com os moradores. O objetivo é propor um modelo baseado nas metodologias de planejamento voltadas ao desenvolvimento sustentável das nove Unidades de Conservação que compõem o Mosaico do Apuí”, destacou a gestora.
 
Oficinas de planejamento participativo – As primeiras comunidades a receberem as oficinas de planejamento participativo, entre 24 e 29 de janeiro, foram Matá Matá e Barra de São Manoel. A última oficina acontece na sede do município de Apuí, nesta quinta (30/01) e sexta-feira (31/01), no Centro Multifuncional da cidade.
 
Para a moradora da Comunidade do Mata Matá, Rosa Pinheiro, a revisão permitirá que os comunitários realizem o manejo sustentável de acordo com as regras atualizadas. “As alterações do Plano de Gestão beneficiam de muitas formas o morador do mosaico. Às vezes, quando vamos extrair algum recurso da floresta, como a copaíba, precisamos de normas que nos permitam explorar de maneira adequada”, destacou.
 
As propostas conclusivas das oficinas serão apresentadas na reunião do Conselho Gestor do Mosaico do Apuí, no mês de março. Após aprovação do Conselho, o novo Plano de Gestão será oficializado por meio de Decreto Estadual.



News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.