Publicidade
Amazônia
Sustentabilidade

Seminário de Meio Ambiente discute agenda Amazônia 2015-2030

Evento começa nesta segunda-feira se estende até o dia 22 reunindo pelo menos 1,4 mil inscritos 18/09/2016 às 16:26 - Atualizado em 19/09/2016 às 14:43
Show hytrtyrtyrtyrty
O equilíbrio entre a natureza e as atividades humanas estarão em discussão visando os próximos 15 anos. Foto: Antônio Lima
Paulo André Nunes Manaus (AM)

O 4º Seminário Internacional de Ciências do Meio ambiente e Sustentabilidade da Amazônia (Sicasa) começa nesta segunda-feira, dia 19, a partir das 17h na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e se estende até o dia 22 com a finalidade de debater a agenda Amazônia 2015-2030.  No último dia 1º de janeiro, os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável – adotada pelos líderes mundiais em setembro do ano passado – entraram oficialmente em vigor.

Ao longo dos próximos quinze anos, com o objetivo de alcançar todos os ODS, os países irão mobilizar esforços para acabar com todas as formas de pobreza, lutar contra as desigualdades e combater as mudanças climáticas, assegurando que ninguém seja deixado para trás.

O 4º Sicasa é uma realização dos programas de pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sociedade e Cultura da Amazônia da Ufam e tem o apoio do Exército Brasileiro, da Rede de Estudos dos Agroecossistemas Amazônicos (REAA) e da Fundação Capes. Um total de 1.400 participantes se inscreveram antecipadamente.

 O coordenador do seminário de sustentabilidade, professor Henrique Pereira / Fotos internas: Aguilar Abecassis e Assessoria/Ufam

A palestra magna do seminário será ministrada às 17h no auditório Eulálio Chaves (minicampus) da Universidade Federal do Amazonas pela representante do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD), Ieva Lazareviciute, logo após a abertura do evento.

Temas como água, energia, uso sustentável da floresta, defesa da Amazônia, comunicação e povos indígenas estão entre os assuntos que serão abordados durante o evento. Além da palestra magna da representante do PNUD Brasil, haverá a parte científica do evento com Grupos de Trabalho e apresentação de pôsteres relacionados ao tema.

Dia Off

A programação do evento terá um dia “off academia” dedicado à informalidade: na quarta-feira, dia 21, a partir das 19h, a Galeria Musa, localizada no Largo São Sebastião, vai receber uma rodada de conversas abertas sobre a Agenda 2030 na Amazônia, com lançamento de livros e música ambiente.

De acordo com Henrique dos Santos Pereira, professor associado e coordenador de mestrado e doutorado de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade do Amazonas, a ideia é fazer a academia refletir sobre desenvolvimento sustentável e qual o papel da própria academia com esses compromissos para o desenvolvimento do homem. “A finalidade é incentivar o engajamento da academia como ator necessário na obtenção desses objetivos, e alertar aos pares que as Nações Unidas acordaram e que essas são as metas para os próximos 15 anos”.

Dificuldade

Para ele, o principal “gargalo” da discussão ambiental na região amazônica é, primeiro, a dificuldade da academia de ter a clara compreensão que o tema do desenvolvimento sustentável e ambientais exige enfoque multidisciplinar. “Além de fauna e flora temos que fazer entender que a questão ambiental passa pelo diálogo com as ciências e não é do campo exclusivo desta ou daquela ciência. Os pesquisadores de diversas áreas precisam se juntar para buscar a abordagem interdisciplinar. É a dificuldades da academia, mas é papel l importante para construir o alcance dos objetivos”, disse ele, que é coordenador do evento.

Nesta quarta edição, um dos atrativos principais do Sicasa são os grupos de tabalho que se organizaram em torno de 13 temas, onde pesquisadores, professores docentes, mestrandos e doutorandos vão apresentar resultados dos seus trabalhos de pesquisa.  Foram inscritos 509 trabalhos de pós-graduação e pesquisa e 450 deles foram selecionados e serão apresentados.

Segundo Pereira, três temas dominaram a preferência entre os trabalhos inscritos, revelando um panorama de como serão as discussões do seminário.  “Houve  uma procura maior para temas como a educação, com o pessoal ligado às redes de ensino e professores. Provavelmente esse é o grupo de trabalho mais concorrido, com 60 trabalhos”, informa ele. “O segundo grupo com bastante trabalhos é o de agricultura e soberania alimentar, e o terceiro vai discutir a questão dos conflitos sócio-ambientais na Amazonia, envolvendo acesso a recursos naturais, da pesca, etc”, acrescenta o professor.

Parceria com Forças

Uma importante parceria foi fechada entre a Ufam e as Forças Armadas quanto à discussão pela defesa da Amazônia para trazer professores e estudantes do Instituto Meira Mattos (que prepara doutores em Ciência Militar), do Rio de Janeiro, para participar de uma mesa redonda sobre o tema.

“Se formos falar da Amazônia mais sobre a conservação dos recursos naturais e do papel no clima é algo bem consolidado e reconhecido pelas instâncias, mas, aqui não se trata de falar de fora para dentro, mas de dentro para fora e o que a academia precisa para o alcance desses objetivos. Não buscamos mais do que buscar nosso papel como protagonistas”, ressalta Henrique Pereira. Ele falou sobre a sua expectativa em relação ao evento.

“Minha expectativa e a dos colegas da organização é de ampliar o debate sobre a agenda de desenvolvimento sustentável para a academia, engajar professores e alunos sobre a referência do desenvolvimento e produzir diálogo interdisciplinar para praticar e compreender as abordagens interdisciplinares”.

Você pode saber mais sobre o Seminário e sua programação acessando o site seminariodoambiente.ufam.edu.br/2016.

BOXE 1

Oficial do PNUD tem 23 anos de especialização em gestão pública

Graduada em administração de empresas pela Universidade de Tecnologia de Kaunas (Lituânia) e Mestre em Gestão Publica pela Universidade de Kansas (EUA), Ieva Lazareviciute, que vem dar a aula magna no 4º seminário Sicasa, é Oficial de Desenvolvimento Humano Local e Fortalecimento de Capacidades PNUD Brasil.

No Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) desde 2004, Lazareviciute ocupou as posições de Especialista de Operações Estratégicas do Bureau de Políticas de Desenvolvimento em Nova Iorque e Assessora de Programa do PNUD Brasil.

Ha 23 anos, Ieva se especializa em assuntos de gestão pública, desenvolvimento humano, desenvolvimento local e fortalecimento de capacidades municipais com diversos projetos implementados na Europa, Ásia Central, Estados Unidos e atualmente no Brasil.

Suas responsabilidades atuais incluem coordenação dos projetos do PNUD nas temáticas de desenvolvimento territorial incluindo localização da Agenda 2030 e ODS bem como Indústrias Extrativas (mineração, petróleo e gás).

Segundo o coordenador do 4º Sicasa, professor Henrique Pereira, a participação de Ieva Lazareviciute no evento significa que o seminário é reconhecido pelo próprio PNUD. “Poderíamos ter qualquer pesquisador falando, mas decidiu-se pela participação dela que não é da academia, mas vai falar para a academia”, pontua ele.

Centro de Ciências vai concentrar transmissão do Amazon Day

O Centro de Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Amazonas será, no dia 23 de setembro, um dos hubs (concentradores) de transmissão do Amazon Day, evento paralelo da International Conference on Sustainable Development (ICSD). A conferência é uma iniciativa inovadora para engajar pessoas nos países da bacia amazônica para promover o desenvolvimento sustentável por meio dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) lançados pela ONU em 2015.

 “O Amazon Day será uma espécie de pós-evento do 4º Sicasa, em parceria com a Fundação Amazonas Sustentável, que apoia também o nosso evento”, informa o professor Henrique Oliveira.

O público-alvo é de estudantes e profissionais participantes do Sicasa, e a iniciativa é liderada pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia (SDSN-Amazonia), rede regional ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), e apoiada pela rede global (UN Sustainable Development Solutions Network).

O evento será realizado na Universidade de Columbia, em Nova York, e contará com transmissão ao vivo online. Diferentes instituições parceiras nos países da Amazônia, como a Ufam, serão organizadoras de hubs de transmissão. Os participantes que assistirem à transmissão nestes hubs receberão certificado digital de participação.

A conferência será em inglês, mas não haverá tradução simultânea.

Durante a manhã, de 9h às 12h, será realizada a sessão “The state of the Amazon and challenges to promote sustainable development”, com participantes como Virgilio Viana (SDSN-Amazonia/FAS), Thomas Lovejoy (UN Foundation), Adalberto Val (Inpa Mcti/SDSN-Amazônia), Yolanda Kakabadse (WWF), Luz Marina Mantilla Cárdenas (Instituto Sinchi), entre outros.

Já durante a tarde – entre 14h e 16h30) - será transmitida a sessão “Engaging youth for sustainable development in the Amazon region”. Estão entre os convidados confirmados Siamak Sam Loni (UN Sustainable Development Solutions Network - Youth), Rachael Ellen Lee Guiden (CISV International), e Thessa Ferraz, da ONG Engajamundo.

Inscrições podem ser efetuadas no link https://goo.gl/forms/BvvjS9IBlcdFWfHr2, e para mais

informações sobre a conferência você pode acessar o site http://ic-sd.org/.

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Objetivo 1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares

Objetivo 2. Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável

Objetivo 3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades

Objetivo 4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos

Objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

Objetivo 6. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos

Objetivo 7. Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos

Objetivo 8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos

Objetivo 9. Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação

Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles

Objetivo 11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

Objetivo 12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis

Objetivo 13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos

Objetivo 14. Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável

Objetivo 15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade

Objetivo 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis

Objetivo 17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

Publicidade
Publicidade