Publicidade
Amazônia
Meio Ambiente

Tecnologia da RDS Uacari vai rastrear a qualidade de sementes produzidas

No médio rio Juruá essa é uma realidade que acaba de ganhar mais um reforço resultado da parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e uma das maiores empresas no setor de software empresarial a SAP Brasil 26/08/2016 às 10:07 - Atualizado em 01/09/2016 às 10:43
Show rsd2
Iniciativa vai beneficiar produtores rurais que vivem dentro da RDS Uacari (Foto: divulgação)
Silane Souza Manaus (AM)

A produção de sementes oleaginosas de andiroba e murumuru é uma importante opção de manejo e geração de renda com recursos não madeireiros que incentiva o crescimento sustentável e promove a conservação da floresta. No médio rio Juruá essa é uma realidade que acaba de ganhar mais um reforço resultado da parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e uma das maiores empresas no setor de software empresarial a SAP Brasil.

A empresa doou para a Unidade de Beneficiamento de Produtos Florestais (UBPF) de Bauana o Sistema de Gestão Empresarial (ERP) SAP Business One. A tecnologia vai ajudar a gerenciar o fluxo de produção da nova Empresa de Base Comunitária (EBC) e rastrear a qualidade de sementes produzidas por aproximadamente 75 famílias produtoras da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Uacari, no município de Carauari. Elas trabalham com sementes de andiroba, murumuru e açaí.

A região dessa nova unidade – que foi estruturada a partir de um curso dado pela FAS – é tradicionalmente extrativista, mas os produtores locais sempre enfrentaram um enorme desafio logístico ao ter de comercializar sua produção para a cidade mais próxima, cuja distância fica a 50 horas de barco. A UBPF de Bauana encurtou essa distância agregando valor à matéria prima, garantindo emprego para moradores da região e a circulação do resultado das vendas nas próprias comunidades.

Foto: divulgação

Além disso, as sementes coletadas pelos produtores estão sendo produzidas e comercializadas com grandes empresas de cosméticos pelos fabricantes, entre elas a Natura. “O SAP Business One é uma solução que faz uma redefinição geral de todos os processos empresarias da empresa melhorando sua gestão e fazendo com que trabalhe melhor a matéria prima tendo mais oportunidade de ir ao mercado e conseguir eventualmente mais cliente”, explicou a diretora de Responsabilidade Social da SAP Brasil, Luciana Coen.

Neste final de semana, representantes da SAP Brasil e da FAS irão a RDS de Uacari verificar in loco como o Sistema de Gestão Empresarial doado pela empresa e implantado pela Ramo Sistemas está funcionando. “Foram três meses para a implantação e treinamento do ERP e agora chegou à hora de entrar ao ar. Queremos saber qual o impacto desta nova tecnologia no trabalho desenvolvido pela Empresa de Base Comunitária que foi criada por jovens empreendedores daquela região”, disse Luciana.

“É como se tivéssemos colocado uma infraestrutura completa de tecnologia nessa empresa incluindo um sistema de gestão empresarial para pequenas e médias empresas. Também fazemos todo o treinamento e adaptação do software e de noções de gestão para que os empreendedores possam alavancar o negócio”. Luciana Coen - diretora de Responsabilidade Social da SAP Brasil (Foto: Evandro Seixas)

Parceria

A parceria entre a SAP Brasil e a Fundação Amazonas Sustentável começou em 2014. Naquele ano, a empresa doou a FAS o SAP Lumira, uma solução tecnológica que amplia a capacidade de análise e otimiza o atendimento a cerca de 40 mil pessoas, moradoras de mais de 500 comunidades ribeirinhas da Amazônia. A implementação do sistema foi concluída em 2015. No geral, a SAP Brasil tem projetos de responsabilidade social em diversas partes do País, mas os principais estão no Amazonas, Paraná e São Paulo.

Desenvolvimento sustentável

O projeto de desenvolvimento sustentável na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Uacari teve início em 2013. Começou com um curso técnico em Produção Sustentável em Unidade de Conservação ofertado por meio de parceria da Fundação Amazonas Sustentável e o Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam). O curso foi ministrado ao longo de um ano na comunidade Bauana, no município de Carauari (a 794 quilômetros de Manaus).

A iniciativa teve como objetivo formar técnicos em produção sustentável para suprir a demanda de trabalho local, e permitir a atuação técnica dos ribeirinhos nas comunidades da reserva, como explicou o coordenador de Desenvolvimento Institucional e Parcerias da FAS, André Ballesteros. “Foi à primeira vez que essa modalidade de curso foi ofertada em uma unidade de conservação isso foi algo inovador e um ponto muito importante para desenvolver a economia do local mantendo a floresta em pé”, apontou.

Conforme Ballesteros, as famílias produtoras da RDS são coletoras, ou seja, coletam sementes que caem no chão, desta forma, não prejudicam o meio ambiente e com a Unidade de Beneficiamento de Produtos Florestais (UBPF) dentro da Unidade de Conservação não precisam ir muito longe para vender os produtos colhidos. “O diferencial foi levar a estrutura de beneficiamento agregando reconhecimento e valor aos produtos”, disse.

Foto: divulgação

Publicidade
Publicidade