Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
1553012871372038_D642C805-1217-423F-883E-096A2E9E5FAC.JPG
publicidade
publicidade

ESTUDO

Superjacarés habitaram pântano gigante da Amazônia há milhões de anos, diz estudo

Análise química inédita de minerais da região tornou possível descobrir idade precisa da fauna fossilizada na região


19/03/2019 às 13:47

Uma nova pesquisa do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP realizou datações de rochas da região amazônica, indicando precisamente a idade geológica da região. Tais análises dão maior entendimento sobre a formação do território da Amazônia e da fauna que nela habitou, sendo possível pela primeira vez emitir datas absolutas das camadas sedimentares do solo e descobrir a época exata em que animais fossilizados viveram na região.

O trabalho é de autoria de Marcos César Bissaro Júnior, que foi orientado pela professora Annie Schmaltz Hsiou. A análise dessas rochas dos campos de Talismã e Niterói, na região entre o Acre e o Amazonas, revelou os fenômenos que permitiram a uma superfauna habitar a região milhões de anos atrás. Esses animais gigantes populavam um território pantanoso que se chama, hoje, de sistema Pebas. Tais animais podiam medir mais de dez metros de comprimento, variando de répteis até roedores gigantes. “Vimos que o boom da diversidade aconteceu no Neógeno, período onde se encontra o Mioceno”, diz Marcos.

Segundo Annie, a datação pode ajudar a entender a origem da biodiversidade da Amazônia, impacto do surgimento da Cordilheira dos Andes, que causaria a inversão do curso do Rio Amazonas, há cerca de 23 milhões de anos. Esse fato causou um acúmulo de água na região estudada, formando um megapântano, propício para a proliferação de uma fauna rica e de imenso tamanho. “Todos os braços de água que sofreram essa mudança desaguavam no sistema Pebas, criando esse grande lago. Essa é a história que os sedimentos dessa região contam.”

Esse grande lago abrigou, mais notavelmente, o maior crocodiliano do período cenozoico na América do Sul, o Purussaurus brasiliensis, ou Purussauro, que media cerca de 12 metros. Outro animal foi a Neopliblema, que seria uma espécie de capivara gigante. Essas espécies, junto a outras como serpentes, tartarugas e preguiças, indicam, segundo Annie, um ambiente extremamente rico em água.

Os sedimentos analisados datam do período do Mioceno, cerca de 8 a 10 milhões de anos atrás. As datações foram feitas usando análise radiotópica, que mede a presença de urânio e chumbo nas rochas. O urânio, que sofre decaimento químico, se transforma em chumbo com o tempo. Medindo a quantidade desses elementos nos minerais, pode-se constatar a idade das rochas.

Até o estudo, o que se usava para datar os fósseis era uma estimativa baseada em descobertas vindas de outros locais da América do Sul. De acordo com a datação que se realizava nestes outros fósseis, era atribuída a mesma datação estimada aos descobertos na Amazônia. “Uma determinada espécie vivia na Amazônia, mas também era vista no Mioceno da Argentina, então se supunha que elas viveram na mesma época”, explica Annie. “Agora, tendo a datação absoluta, podemos ver quando se formou não só esse bioma amazônico, mas também os fósseis dos animais que viveram nele.”

*Jornal da USP

publicidade
publicidade
Famílias do Amazonas vão participar de estudo do MS sobre nutrição infantil
Ser Educacional anuncia compra da UniNorte por R$ 194,8 milhões
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.