Publicidade
Amazônia
Parque são pedro

Lago na Zona Oeste de Manaus sofre com a poluição

Enquanto o poder público não atende às reivindicações, o lago serve como depósito de resíduos sólidos e dejetos de esgoto doméstico 21/06/2016 às 00:00 - Atualizado em 21/06/2016 às 00:13
Show piscin o
Localizado na comunidade Parque São Pedro, no Tarumã, lago sofre com a poluição (Antônio Menezes)
Silane Souza Manaus (AM)

Ainda que haja peixes de várias espécies além de quelônios em suas águas, o lago da Carbrás, também conhecido como “Piscinão de Ramos”, localizado na comunidade Parque São Pedro, bairro Tarumã, Zona Oeste, sofre com a poluição. Há anos, o local serve como depósito de resíduos sólidos e dejetos de esgoto doméstico e por mais que os moradores lutem para recuperar a área, que poderia ser utilizada como espaço de lazer pela população, o poder público nunca não atende as reivindicações. 

De acordo com a autônoma Nelma Gentil, 37, na época da invasão, que deu origem a comunidade, a água do lago era limpa. Os invasores lavavam roupa, tomavam banho e utilizavam a água para tudo, visto que não era contaminada. Mas a ocupação irregular e desordenada às margens do igarapé contribuiu com a sua degradação. “Naquele tempo ficou acertado que não seria feito casa próximo do lago, pois seria uma área de lazer. Mas com o tempo as pessoas começaram a invadir e hoje está desse jeito”.

O radialista Sidney Mendonça, 53, afirmou que o lago não é artificial como muitos pensam. Há três nascentes que deságuam nele, o que faz com que a água seja corrente e os peixes e quelônios sobrevivam nele. “A água não fica parada vem das nascentes e desemboca no final do piscinão onde tem uma barragem por onde ela sai. Aqui tem tucunaré, jaraqui, tilápia, tambaqui, tartaruga e muitas garças. Graças a eles a água não tem aquele odor horrível”, enfatizou. 

(Foto: Antônio Menezes)

O sonho dos moradores, conforme o presidente do Parque São Pedro, Ronaldinho Oliveira, é que o poder público revitalize o espaço. “Representantes do município e do Estado já vieram prometeram ajudar, mas ficou só na promessa. Aqui está como se a prefeitura tivesse construído um complexo esportivo com quadra poliesportiva, banheiros, campos de areia, quadra de vôlei e praça, mas a única coisa que foi entregue foi uma quadra de areia e um lanche, que nunca foi usado”, declarou. 

Ronaldinho destacou que entregou o projeto de recuperação e revitalização do lago da Carbrás em diversas secretarias, mas nunca foi contemplado. “A ideia é que aqui fosse feito um calçadão e uma força comunitária para que o esgoto das residências situadas no entorno do piscinão for jogado dentro deixando de contaminar a água. Depois tratar essa água, isso seria fácil porque há várias nascentes, e por fim, o local se transformaria no ponto turístico e de lazer para a população”, pontuou.

(Foto: Antônio Menezes)

Tratamento

A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que tem conhecimento da situação no lado da Carbrás e já está estudando as ações para o local, juntamente com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas).

Conforme a pasta, ações de infraestrutura no entorno estão em andamento  atualmente em algumas vias do Parque São Pedro como nas ruas Padre Geraldo, Santa Edwiges e Rua Plácido. “A área é assistida e, ainda no ano passado, foi executada uma drenagem no entorno que ajudou a dar vazão às águas que causavam enchentes nas casas vizinhas ao piscinão”.

Limpeza

A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), por sua vez, informou que iria mandar um fiscal, ainda na tarde dessa segunda-feira (20), ao local para verificar a situação atual da comunidade. “Vamos programar limpeza nos focos de lixo e enviar equipe de capina”, garantiu.

Publicidade
Publicidade