Publicidade
Manaus Hoje
COMOÇÃO

Adolescente morto por vigilante em posto de gasolina é velado em igreja

Amigos e familiares de Isaque Jorge da Silva Corrêa, 17, lotaram igreja evangélica no conjunto Viver Melhor. Adolescente foi morto por vigilante que prestava serviços para o aeroporto Eduardo Gomes 12/03/2017 às 17:34 - Atualizado em 12/03/2017 às 19:55
Alik Menezes Manaus (AM)

Amigos e familiares do adolescente Isaque Jorge da Silva Corrêa, 17, morto com um tiro na nuca na madrugada deste domingo (12), lotam uma igreja evangélica no conjunto Viver Melhor, Zona Norte da cidade. Emocionados, eles cobram justiça.

O corpo foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) por volta das 15h da tarde. O enterro está marcado para às 8h de segunda (13).

Segundo uma amiga do adolescente, que pediu para não ser identificada, o jovem era querido por toda a comunidade e não merecia uma morte como essa. "Foi muito cruel, ele era uma pessoa muito boa", disse.

Luis William Oliveira, tio do adolescente, contou que até o momento a empresa não se manifestou e não prestou qualquer tipo de assistência. "Eles estão silenciando, isso é muito injusto. o Isaque era um filho, amigo, irmão que qualquer pessoa gostaria de ter. Estamos destruídos", disse.

Entenda o caso

O adolescente Isaque Jorge da Silva Correa, de 17 anos, morreu na madrugada deste domingo com um tiro na nuca disparado por um vigilante que presta serviços para o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. O crime ocorreu por volta de 3h50, num posto de gasolina, em frente ao aeroporto, na Zona Oeste.

Isaque estava com um grupo de amigos comemorando o aniversário dele ocorrido no último dia 10. O tio, William Silva, relatou que ao ser abordado pelo vigilante, identificado como Juliano Cesar Tanabe Azevedo, de 25 anos, a vítima não reagiu, mas ainda assim foi baleado.

 À polícia, o amigo de Isaque, Gelderson Gabriel Farias de Castro Souza, relatou que Isaque estava afastado do grupo ajudando um amigo, identificado como Felipe de Castro Uchôa, a fazer uma moto funcionar, quando o vigilante chegou e disparou contra ele.

A Infraero disse que está apurando o caso e deve se pronunciar por meio de nota.

Publicidade
Publicidade