Publicidade
Manaus Hoje
JUSTIÇA

Agricultor do AM acusado de estuprar a própria filha é condenado a 28 anos de prisão

Os estupros ocorriam uma vez ao mês e iniciaram quando a vítima tinha 11 anos de idade. Abusos aconteciam quando o pai saía para pescar de canoa e levava a filha consigo 01/10/2018 às 16:08
Show parintins 36e8c6d3 760c 4a36 8af0 08d7cdbf36da
Foto: Arquivo/AC
acritica.com Manaus (AM)

O juiz titular da 3ª Vara da Comarca de Parintins, Anderson Luiz Franco de Oliveira, condenou a 28 anos e quatro meses de reclusão, em regime fechado, um agricultor, de 43 anos de idade, acusado de estuprar, por dois anos, a própria filha em Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus). Os estupros, segundo denúncia do Ministério Público, ocorriam uma vez ao mês e iniciaram quando a vítima tinha 11 anos de idade.

A denúncia foi oferecida pelo MPE em maio de 2017 e aceita pelo Juízo da 3ª Vara da Comarca de Parintins. Pela sentença o réu foi condenado pelo crime de estupro de vulnerável, previsto no Artigo 217-A do Código Penal Brasileiro (CPB).

Os crimes, conforme os autos, foram cometidos na Comunidade São Francisco de Assis do Varre Vento, na zona rural do município de Parintins.

Os abusos  aconteciam quando o pai saía para pescar de canoa e levava a filha consigo. No caminho, conforme depoimento da adolescente, este praticava relações sexuais com ela. Para as autoridades a menina disse que o pai a ameaçava de morte, caso contasse o ocorrido a alguém.

De acordo com os autos, o último estupro ocorreu no dia 24 de fevereiro de 2017 quando a adolescente, então, com 13 anos foi convidada pelo pai para a pescaria. No caminho ele mandou que a filha saísse da canoa, tirasse a roupa e deitasse no chão. Quando ele estava mantendo relações sexuais com a menina foi flagrado pelo irmão da vítima e filho dele. O flagrante só foi possível porque a mãe da vítima já desconfiava dos atos ilícitos do marido e determinou que o filho seguisse ambos quando fossem pescar.

Da pena de 28 anos e quatro meses o magistrado que proferiu a sentença determinou a detração do período em que o réu esteve preso preventivamente, ou seja: um ano e sete meses.

Na sentença o juiz Anderson Luiz Franco de Oliveira aponta que “considerando o período em que ocorreram as relações sexuais – aproximadamente dois anos – afigura-se cabível a majoração em patamar máximo (…)”.

Publicidade
Publicidade