Publicidade
Manaus Hoje
Latrocínio

Assassino confessa que se relacionou com professor para depois matar e roubar

Edinilson Muniz Gomes, 19, admitiu que teve um relacionamento com a vítima. Segundo a polícia, ele foi para a casa do professor com a intenção de matar e roubar 22/09/2016 às 11:47 - Atualizado em 22/09/2016 às 11:59
Show r
O suspeito esfaqueou a vítima nos olhos, no tórax e no braço e depois roubou R$ 1,7 mil (Winnetou Almeida)
Vinicius Leal e Joana Queiroz Manaus (AM)

Foi apresentado na manhã de hoje (22) pela Polícia Civil o assassino confesso do professor Amim Costa Haddad, de 50 anos, morto a facadas no dia 7 de setembro, em Manaus, dentro do apartamento dele, no bairro Compensa, Zona Oeste da capital. Edinilson Muniz Gomes, de 19 anos, confessou o crime e o motivo do assassinato. Ele admitiu que teve um relacionamento recente com a vítima.

Em conversa com a reportagem do Portal A Crítica, ele afirmou que naquele dia o professor o convidou para ir até o apartamento dele para assistir a transmissão de um jogo de futebol na TV. Após a partida, segundo Edinilson, Amim tentou beijá-lo e o suspeito reagiu pegando uma faca na mesa e o golpeando várias vezes. O professor foi esfaqueado nos olhos, no tórax e no braço.

Entretanto, segundo o delegado Denis Pinho, da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), o motivo real do crime foi roubar pertences do professor. “Ele foi para a casa da vítima com a intenção de matar e roubar”, disse Denis Pinho. Segundo o delegado, o homem admitiu em depoimento que planejava assassinar para depois roubar. Do apartamento, ele levou R$ 1,7 mil em espécie.

A prisão de Edinilson aconteceu após a polícia verificar ligações telefônicas no celular da vítima entre os dois. Segundo o delegado Denis, a última chamada realizada no aparelho celular de Amim foi para o telefone de Edinilson. A partir daí, foi fácil encontrá-lo. O infrator foi preso há dois dias, na terça-feira (20), em cumprimento de mandado de prisão, na casa dele, também na Compensa.

Ainda em conversa com a reportagem do Portal A Crítica, Edinilson contou como ele e a vítima se conheceram. Segundo ele, há menos de uma semana antes do crime: Edinilson fazia caminhada em via pública, na Compensa, quando foi abordado pelo professor Amin. Eles conversaram e trocaram números de telefone. Após alguns contatos e encontros, o professor fez o convite Edinilson ir até a casa dele.

Para a reportagem, o assassino negou que soubesse que a vítima era homossexual, porém à polícia ele contou outra história. Segundo o delegado, Edinilson confessou que ele e o professor tiveram relações sexuais. Debochado, frio e sem demonstrar arrependimento, ele tem o costume de “cuidar do corpo” e se relacionar com homossexuais para “se divertir”, segundo a polícia. Ele foi autuado por latrocínio e será levado à cadeia.

Publicidade
Publicidade