Publicidade
Manaus Hoje
LATROCÍNIO

Bandido se irritou após universitário pedir de volta as apostilas e atirou nele

Estudante que morreu baleado teve a bolsa levada durante assalto no momento em se deslocava até a faculdade 03/05/2017 às 20:01 - Atualizado em 03/05/2017 às 21:08
Show colagem sem t tulo  1
Foto: Gilson Mello/Freelancer
Rita Ferreira Manaus (AM)

Adriano Carlos da Silva Trindade, de 22 anos, foi morto na noite da última terça-feira, vítima de latrocínio, com um tiro no tórax. O jovem saiu de casa para ir à faculdade quando foi abordado por dois assaltantes que tentavam levar a bolsa dele.  O estudante foi agredido com chutes e baleado no tórax, após pedir uma apostila da faculdade que estava dentro da mochila. O crime ocorreu próximo da residência dele, na rua Jacarandá, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.

Adriano saiu de casa por volta das 18h e caminhou ao longo da rua para o ponto de ônibus na via paralela à da casa dele. Antes de chegar ao local, a vítima foi abordada pelos homens, que estavam num carro modelo saveiro de cor preta. Segundo testemunhas, o estudante não reagiu à ação dos bandidos, mas pediu para eles devolvessem uma apostila da faculdade. Na discussão, os assaltantes agrediram o rapaz com chutes.

Para fugir da agressão, Adriano correu e foi atingido com um tiro no tórax. A vítima conseguiu chegar até a casa da família onde pediu por socorro. O universitário foi levado para o Hospital e Pronto Socorro Dr. Platão Araújo, também na Zona Leste, onde chegou a passar por cirurgia, mas não resistiu ao ferimento e morreu por volta das 19h30.

O corpo da vítima foi velado em uma igreja evangélica, que fica na rua onde o rapaz pegava o ônibus para ir à faculdade todas as noites. O enterro de Adriano foi na tarde desta quarta-feira (03), no Cemitério Parque Tarumã, na Zona Oeste. O crime está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Um comércio que fica próximo ao local do crime forneceu imagens da câmera do circuito de monitoramente para ajudar a polícia a identificar os suspeitos.

Publicidade
Publicidade