Quarta-feira, 03 de Junho de 2020
SEM BO

Confusão em fila de lotérica acaba em briga entre cliente e atendente

Vídeo mostra o momento em que uma cliente se envolve em confusão e agressões com a auxiliar de gerente de uma loteria no Zumbi dos Palmares



27/03/2020 às 12:47

“O problema foi quando ela me chamou de ‘vagabunda’, aí eu não aguentei”. A declaração é de uma auxiliar de gerente de uma casa lotérica situada no bairro Zumbi dos Palmares, Zona Leste de Manaus, que entrou em luta corporal contra a ocupante de uma fila formada no local, nesta quarta-feira (25). Assista ao vídeo ao final desta matéria.

O fato ocorreu por volta das 11h. Como medida preventiva em decorrência do surto da Covid-19, o estabelecimento decidiu impedir a entrada total das pessoas, dividindo o agrupamento de visitantes da casa lotérica em duas filas: uma para pessoas de todas as idades e outra destinada a idosos e gestantes, conforme a auxiliar de gerente.

“Tudo começou quando uma moça, acompanhada de uma senhora de idade, tentou forçar a entrada dessa idosa antes da vez dela, na fila, chegar”, disse.

Nesse momento, a auxiliar de gerente se dirigiu à mulher e pediu para que ela aguardasse. “Foi quando ela começou a me xingar de todos os nomes. Quando ela falou ‘vagabunda’, aí eu pirei, né? Estava no meu local de trabalho, tentando atender todo mundo, e as pessoas ainda vêm faltar com o respeito com a gente”.

A mulher fugiu do local, após a luta corporal, conforme a funcionária. A auxiliar de gerente chegou a acionar a Polícia Militar (PM), mas decidiu não registrar um Boletim de Ocorrência (BO), sobre o caso.

Segundo ela, o vídeo, que “viralizou” nas redes sociais, gerou comentários variados a respeito do motivo da discussão. “Li muitos comentários de gente que achou que tínhamos brigado por causa de homem”, afirmou.

Confusão em época de pandemia

Segundo a funcionária, a casa lotérica onde ocorreu a briga pretende fechar as portas, temporariamente, em decorrência da pandemia do Coronavírus.

Os funcionários do local foram obrigados a utilizar luvas, como proteção contra o contágio do vírus.

Ainda conforme a funcionária, as pessoas que visitam a casa lotérica onde ela trabalha não costumam demonstrar preocupação com o contágio da doença. “Eles querem é saber de pagar as contas, nem se preocupam com o fato de estarem se aglomerando em um local”, relatou.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.