Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
CRIME

‘Dei duas facadas nele’, diz suspeito da morte de soldado Portilho

'Filé' foi preso no último fim de semana, no município de Caracaraí, no estado de Roraima. Segundo a polícia, ele foi a peça principal na morte do soldado



27/06/2017 às 10:55

Na manhã desta terça-feira (27), o décimo segundo envolvido na morte do soldado da Polícia Militar, Paulo Sérgio da Silva Portillo, ocorrido no dia 26 de maio na invasão Buritizal Verde, na Zona Norte, foi apresentado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Trata-se de Bruno Medeiros Mota, 26, o "Filé". O rapaz foi preso no último fim de semana, no município de Caracaraí, no estado de Roraima. Segundo a polícia, ele foi a peça principal na morte do soldado.

Filé admitiu ter dado duas facadas em Portilho. "Ele estava armado naquela noite e eu achei que ele tinha ido pra pegar um de nós. Só depois de matarmos soubemos que ele era policial", disse o infrator.



Conforme o titular da DEHS, o delegado Juan Valério, "Filé" tinha o domínio do tráfico do local e teria dado o aval para que Portilho fosse morto. "Ele comandava toda aquela área e deu a ordem para matarem o soldado. Além disso ele participou efetivamente, desferindo facadas. Depois de certificar que a vítima estava morta, Filé ainda amarrou o corpo dele  uma corda e saiu arrastando pela invasão. Foi ele também que ameaçou os moradores caso contassem a polícia o que havia ocorrido no local", destacou o delegado.

Com a prisão de Filé permanecem ainda foragidos Fabio Barbosa de Souza, o "Índio”, William Paiva, mais conhecido como " Sorriso" e "Gigante". Bruno "File" foi indiciado por homicídio e será levado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.